Viaturas da GNR com desfibrilhadores vão ser alargadas ao país

Militares também vão receber formação específica
21 de março de 2014 - 13h17
O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, considerou hoje “muito importante” que a GNR possua viaturas de patrulhamento equipadas com Desfibrilhador Automático Externo (DAE) e disse que o projeto vai ser alargado, gradualmente, a todo o país.
“A ideia é que seja alargado a outros comandos e a outros territórios do país. Vamos fazê-lo de forma gradual” porque “envolve a aquisição de algum equipamento, mas também a formação dos militares”, prometeu o governante.
Miguel Macedo falava aos jornalistas na vila medieval de Monsaraz, no concelho alentejano de Reguengos de Monsaraz, depois de participar na cerimónia de apresentação da primeira viatura de patrulhamento da GNR equipada com um DAE.
Este projeto da GNR arranca no Alentejo, mais precisamente com esta primeira viatura pertencente ao posto territorial de Telheiro/Monsaraz, o que transforma esta localidade na primeira, a nível nacional, a dispor de um carro de patrulha com esta valência.
No âmbito da iniciativa, as normais viaturas de patrulhamento passam a estar equipadas com DAE e os militares a deterem formação específica e certificação na utilização do equipamento, para resposta a casos de emergência de paragem cardiorrespiratória (PCR).
O DAE é um dispositivo eletrónico portátil que analisa o ritmo cardíaco em situações de PCR, aplicando nas situações indicadas um choque elétrico ajustado que visa retomar um ciclo cardíaco normal e, assim, recuperar a vítima.
“É uma componente muito importante de proximidade, de apoio e diversifica a atividade da GNR, muito embora não a desvie da sua missão principal que é de segurança”, elogiou o ministro.
A GNR “não vai andar à procura de quem precise” de ser assistido com recurso ao DAE, mas o equipamento, dada a proximidade da Guarda em relação à população, pode fazer a diferença, frisou.
“Muitas vezes, a GNR é a primeira entidade que chega junto de uma situação destas [com vítima em paragem cardiorrespiratória]. É bom que possa dispor de um equipamento que faz a diferença entre a vida e a morte”, salientou.
Neste tipo de cenários, continuou, não possuir um DAE “pode significar a morte, porque só 3% das pessoas é que se salvam”, enquanto, com um equipamento destes à mão, “há a possibilidade de 74% das pessoas sobreviverem”.

Comentários