Utentes promovem vigília junto ao Hospital Garcia de Orta em defesa do SNS

Vigília terá lugar entre as 16h00 e as 18h00, com apoio das câmaras de Almada e Seixal

13 de fevereiro de 2014 - 08h27

As comissões de utentes de saúde de Almada e Seixal promovem hoje uma vigília junto ao Hospital Garcia de Orta para exigirem a reabertura dos Serviços de Atendimento Permanente e o alargamento dos horários dos centros de saúde.

"Vamos fazer uma vigília em defesa do Serviço Nacional de Saúde [SNS], pela reabertura dos SAP [Serviços de Atendimento Permanente] e alargamento do horário dos centros de saúde, mas também pela construção do Hospital do Seixal", disse Luísa Ramos, da Comissão de Utentes da Saúde de Almada, à agência Lusa.

"Ao contrário do que o senhor ministro da Saúde diz, os utentes têm de esperar muitas horas para serem atendidos no Hospital Garcia de Orta [Almada] muitas vezes e não apenas em circunstâncias pontuais, porque têm de recorrer à urgência devido à ausência de respostas nos cuidados primários", acrescentou.

Segundo Luísa Ramos, o aumento das taxas moderadoras nos hospitais, a juntar à falta de respostas nos centros de saúde, torna ainda mais difícil a vida de milhares de utentes dos dois concelhos.

As críticas de Luísa Ramos foram partilhadas por Maria Luís, da Comissão de Utentes da Saúde do Seixal, que considerou haver "cada vez menos Serviço Nacional de Saúde" salientou a urgência de uma nova unidade hospitalar no concelho do Seixal.

"É preciso um novo hospital porque o Hospital Garcia de Orta foi construído para 150 mil pessoas e neste momento já serve cerca de 450.000 utentes", disse Maria Luís, lembrando que "o protocolo para a construção da nova unidade hospitalar, assinado em 2009, parece ter voltado à estaca zero.

De acordo com os promotores, a vigília, que terá lugar entre as 16:00 e as 18:00 à entrada do Hospital Garcia de Orta e conta com o apoio das câmaras municipais de Almada e do Seixal, visa ainda manifestar o descontentamento da população pela alegada falta de médicos de família nos dois concelhos.

SAPO Saúde com Lusa

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários