Urgências com internamento mantêm tendência de crescimento

A urgência hospitalar continua a ser a principal porta de entrada para os internamentos e registou um aumento entre 2008 e 2014, segundo um estudo sobre o desempenho clínico dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).
créditos: MARIO CRUZ/LUSA

O estudo, encomendado pelo Ministério da Saúde à consultora Iasist, analisou a atividade dos hospitais do Serviço Nacional da Saúde (SNS), nos anos de 2008, 2013 e 2014 e visou avaliar se a crise económica e social que o país tem vivido nos últimos anos, teve repercussões, e de que tipo, na atividade hospitalar.

Segundo o documento, “a atividade de urgência mantém níveis muito elevados, ao contrário do que se pretenderia, tendo-se até registado um ligeiro aumento (1%) de 2013 para 2014”.

Outro dado que consta do relatório, disponível no site da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), refere-se ao “aumento substancial de internamentos programados e a maior capacidade resolutiva em sede de cuidados de saúde primários são ainda desideratos longínquos”.

“A percentagem de admissões para internamento via urgência mantém valores elevados, na ordem dos 70%”, lê-se no documento.

O estudo aponta para a diminuição do número de camas para doentes agudos (camas hospitalares), compensada pelo “crescimento da rede de camas de cuidados continuados integrados, na razão de 1 para 2,7”.

“Há, assim, um efetivo aumento de camas, registando-se maior equilíbrio na sua distribuição entre os dois setores, face ao envelhecimento, às doenças crónicas e à necessidade crescente de reabilitação ou cuidados paliativos”, refere o documento.

As situações analisadas variaram consoante os hospitais. Nos hospitais centrais, por exemplo, registou-se “uma redução significativa de camas entre os dois anos (menos cerca de 15%), fruto, possivelmente, dos ajustamentos verificados na distribuição de áreas populacionais e das fusões empreendidas”.

Comentários