Universidade dos Açores quer perceber onde se produz leite com mais iodo

A Universidade dos Açores vai estudar as pastagens da ilha de São Miguel, a partir de 2016, para perceber onde se produz leite com maior e menor concentração de iodo, dada a carência deste elemento químico entre a população.
créditos: AFP

O projeto científico, a desenvolver durante três anos, está a cargo da equipa liderada pelo professor Armindo Rodrigues, do departamento de Biologia da academia, e será candidatado, até ao final do mês, a financiamento comunitário.

A iniciativa visa “perceber quais são as zonas da ilha mais ricas e menos ricas, as que têm maior carência em iodo e naquelas em que há maior concentração de iodo, perceber se esse iodo passa ou não para as vacas e destas para o leite”, afirmou Armindo Rodrigues, em declarações à Lusa, acrescentando que há países europeus, como a Alemanha e a Holanda, que já dão suplementos às vacas para terem leite com os níveis de iodo recomendados.

O iodo é um elemento químico que existe na natureza e que se revela fundamental para o funcionamento da tiroide e para o desenvolvimento do sistema nervoso durante a fase fetal e nos primeiros anos de vida de uma criança. Nos Açores, as grávidas já tomam suplementos com iodo.

O investigador adiantou que os estudos preliminares já realizados indicam que a distribuição de iodo pelos solos da ilha de São Miguel é “bastante heterogénea”, pelo que serão estudadas “várias pastagens, em várias zonas” da maior ilha açoriana, onde residem mais de cem mil pessoas.

Benefícios para todos

“Um dos produtos que geralmente é utilizado nas populações humanas para compensar a falta de iodo é o leite. Vamos analisar solos da ilha de São Miguel e perceber que nuns sítios há maior concentração de iodo e, noutros, concentrações muito baixas. A nossa questão é perceber se isso também se vai refletir - provavelmente refletirá - na qualidade do leite”, referiu Armindo Rodrigues, acrescentando que este conhecimento trará benefícios para a população, para a lavoura e para a indústria do leite.

Comentários