Universidade de Vila Real quer ampliar serviço prestado a deficientes e idosos

UTAD foi pioneira ao abrir primeira licenciatura em Engenharia de Reabilitação e Acessibilidades

3 de dezembro de 2013 - 17h29

A Universidade de Vila Real vai desafiar entidades públicas e privadas a associarem-se ao Centro de Tecnologias de Apoio, para melhorar e ampliar o serviço que é prestado a pessoas com necessidades especiais e idosos do distrito.

O anúncio foi feito hoje, em que se assinala o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência e, entre os dias 12 e 14, será feita uma demonstração de como se pretende que o centro funcione.

A iniciativa é organizada pelo Centro de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade (CERTIC) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Francisco Godinho, responsável pelo CERTIC, explicou à agência Lusa que a academia transmontana já presta serviço de apoio a pessoas com deficiência e a idosos desde 2001.

Mas agora, acrescentou, a ideia é ampliar e melhorar esse mesmo serviço e, para isso, vai ser lançado um desafio à Câmara de Vila Real, à Segurança Social, ao Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) e a organizações não governamentais.

“A ideia é dar maior dimensão a serviços que já existem. É também criar um local de referência onde as pessoas necessitadas se possam deslocar para experimentar equipamentos e de onde possam ser encaminhadas para outras instituições”, salientou.

Para Francisco Godinho, “estas sinergias poderão tornar Vila Real numa referência e num exemplo a nível nacional”.

No antigo edifício do centro da cidade que era ocupado pela UTAD, vai ser feita uma demonstração temporária do que se pretende que venha a ser esse centro no futuro, disponibilizando centenas de tecnologias vocacionadas para a autonomia de pessoas com deficiência, idosos e acamados, em contextos de habitação, educação, recreação e atividades da vida diária.

Incluirá serviços de informação e aconselhamento, avaliação e demonstração, formação, exposição empresarial, ainda o banco de empréstimo de tecnologias de apoio, reparação e manutenção, bem como engenharia de reabilitação, para personalizar ou conceber algum equipamento.

Esta demonstração conta com cinco salas temáticas: quarto e casa de banho adaptada, cozinha adaptada, produtos para mobilidade, produtos para a comunicação e informação, recreação e lazer.

A iniciativa inclui ainda, no dia 12, o colóquio ”Serviços de Tecnologias de Apoio no Distrito de Vila Real” e uma reunião restrita aos responsáveis de cinco entidades que poderão, numa primeira fase, estar em melhores condições para definir o modelo de gestão e o plano de implementação desta iniciativa conjunta, nomeadamente a UTAD, autarquia, Segurança Social, CHTMAD e Associação de Paralisia Cerebral de Vila Real (APC).

Há mais de uma década que o CERTIC desenvolve a sua atividade orientada para a aplicação da ciência e da tecnologia na melhoria da qualidade de vida das populações com necessidades especiais.

Entre os projetos desenvolvidos estão uma bengala eletrónica para ajudar cegos a deslocarem-se na rua, uma aplicação que permite pedir ajuda por telemóvel sem recurso a voz ou o MECBraille - Marco Eletrónico de Correio Braille, que disponibiliza gratuitamente um serviço de conversão e envio de textos e cartas em Braille.

A UTAD foi também pioneira ao abrir há seis anos a primeira licenciatura de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade Humanas.

Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários