Unidade reforça cuidados de enfermagem em praias de Grândola

Uma unidade móvel dos serviços regionais de saúde está a reforçar os cuidados de enfermagem nas praias do Carvalhal e de Melides, no concelho alentejano de Grândola, até 15 de setembro.
créditos: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Segundo a Câmara de Grândola, no distrito de Setúbal, o veículo, pertencente à Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), está disponível às segundas, terças, quintas e sábados, estando parqueado no Carvalhal durante a manhã e em Melides no período da tarde.

Coincidindo com uma altura em que Grândola acolhe muitos veraneantes, a ULSLA reforçou, desde o início deste mês e até 15 de setembro, os cuidados de Saúde neste concelho.

A disponibilização da Unidade Móvel de Saúde, com um enfermeiro, foi uma das medidas tomadas, tal como revelou à Lusa, em julho, o diretor clínico para os Cuidados de Saúde Primários da ULSLA, Horácio Feiteiro.

"Já tínhamos a experiência de Odemira, onde este serviço já existe, embora com posto fixo, nas praias de Zambujeira e de Vila Nova de Milfontes, e vamos também estender a Porto Covo e São Torpes, no concelho de Sines", adiantou.

A unidade móvel permite "reduzir os acessos às urgências e aos centros de saúde" por situações como "pensos rápidos, injetáveis, uma picada de peixe-aranha ou de um inseto", exemplificou o diretor clínico.

A expectativa, "se tudo correr bem", é avançar no próximo ano com o serviço nas mesmas praias a partir de 15 de julho e "possivelmente com duas unidades móveis", previu o responsável.

Além da unidade móvel, a ULSLA alargou ainda em duas horas, ou seja, até às 22:00, o horário do Serviço de Atendimento Permanente (SAP) de Grândola.

“Funcionar até às 24:00 não se justifica, uma vez que a maior afluência é até às 22:00", explicou Horácio Feiteiro, indicando que pretende contratualizar o serviço médico "com uma empresa".

O presidente da câmara, António Figueira Mendes, afirmou à Lusa, também em julho, estar satisfeito com a melhoria nos serviços, considerando, no entanto, que o reforço "é uma pequena gota" do que tem vindo a reivindicar.

"Isto melhora um pouco. Compreendemos a impossibilidade da atual equipa de médicos fazer mais horas e a dificuldade de contratação de médicos, mas estamos disponíveis para continuar a apoiar com habitação e eventualmente considerar outros apoios", avançou o autarca.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários