Unidade de AVC do Hospital Gaia/Espinho é a primeira certificada na Europa

A Unidade de AVC do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho anunciou hoje ter sido distinguida como o primeiro “Certified ESO Stroke Centre” da Europa, distinção que se deve “à grande preparação técnica e científica dos profissionais envolvidos”.

O estatuto de “First Certified ESO Stroke Centre” foi atribuído pela European Stroke Organisation (ESO) à Unidade de AVC do Centro Hospitalar De Vila Nova De Gaia/Espinho, coordenada por Miguel Veloso, bem como à Unidade de Neurorradiologia de Intervenção, liderada por Manuel Ribeiro.

“Portugal é, assim, o primeiro país da Europa a ter um centro certificado de tratamento de AVC, primeira causa de mortalidade e incapacidade no nosso país”, salienta Miguel Veloso.

O responsável pela Unidade de AVC considera que “esta é uma certificação fruto de um trabalho imenso de um grupo de pessoas e de uma capacidade organizativa que foi pedida ao Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho aquando a aprovação de novos tratamentos na área do AVC agudo, e que não teria sido possível sem a preciosa colaboração da Unidade de Neurorradiologia de Intervenção”.

“A melhor maneira de tratar e de minimizar as consequências de um AVC é oferecer o tratamento clinicamente indicado o mais rapidamente possível, sendo para isso necessária uma disponibilidade nas 24 horas do dia durante todos os dias da semana, pois no AVC o tempo é fundamental: quanto mais cedo os doentes forem tratados, melhor será o seu prognóstico e a sua recuperação”, acrescenta.

Para Manuel Ribeiro, responsável pela Unidade de Neurorradiologia de Intervenção, “esta satisfação e orgulho são partilhados com a Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC), com a Sociedade Portuguesa de Neurorradiologia de Intervenção (SPNI), e com todas as Unidades de AVC que connosco trabalham referenciando-nos doentes ou partilhando experiências. Por isso, o mérito é de todos nós”.

Também o presidente da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC), José Castro Lopes, se congratulou com esta distinção e por existirem “profissionais extremamente empenhados para que se morra menos e se fique menos inválido pelo flagelo que é o AVC no nosso país”. “Trata-se de um galardão internacional de excelência que vai ficar para a história no combate ao AVC em Portugal”, afirma o presidente da SPAVC.

Comentários