Unidade da Guarda contrata enfermeiros que estavam a recibo verde

44 enfermeiros em situação precária agora com a hipótese de serem contratados
22 de janeiro de 2014 - 17h55


A Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda anunciou hoje que está a "desenvolver" o processo com vista à contratação de cerca de 44 enfermeiros que estão atualmente a prestar serviço com vínculo precário.



"O objetivo é resolvermos o problema que se arrasta há anos e que, até ao momento, ninguém resolveu", disse à agência Lusa Vasco Lino, presidente do conselho de administração da ULS/Guarda, no final de uma reunião com elementos da direção Regional da Beira Alta do Sindicato Enfermeiros Portugueses (SEP).



Vasco Lino reconheceu que "terá que haver uma solução" para os enfermeiros que estão a recibo verde, mas apontou que o prazo "não depende exclusivamente" da ULS porque, até à contratação, "há passos que têm que ser percorridos".



"Há fases processuais que têm que ser desenvolvidas e que nós estamos a desenvolver", esclareceu, indicando que os serviços estão "a tratar do assunto" para procurar ultrapassar a situação dos profissionais de enfermagem com vínculo precário.



O sindicalista do SEP Joaquim Nércio disse que no encontro foi apelado à administração da ULS/Guarda que acabe com a precariedade laboral dos enfermeiros e contrate os profissionais que atualmente prestam serviço a recibos verdes, para que "finalmente" tenham emprego certo.



"A administração mostrou boa vontade, assumiu que o processo já se tinha iniciado", disse o sindicalista à Lusa, prometendo que os elementos do SEP irão ficar "atentos e vigilantes para que realmente esta boa vontade se concretize".



Joaquim Nércio disse esperar que a decisão da ULS/Guarda signifique "o fim da precariedade laboral para quem tem funções permanentes" e passe a ter "contratos e relações laborais também permanentes".



"É urgente uma decisão governamental célere que ponha travão à subcontratação com recurso a falsos recibos verdes, assim como a necessária fundamentação das necessidades de cuidados de enfermagem. Caso contrário, criam-se maiores dificuldades dos utentes no acesso a cuidados de saúde de qualidade, em segurança e em tempo útil", alerta o SEP.



Para o sindicato, "é urgente acabar com a precariedade laboral dos atuais enfermeiros com vínculo precário, na forma de subcontratação - falsos recibos verdes -, bem como a necessária contratação de mais enfermeiros" para a ULS/Guarda.



"É este o caminho que, no nosso entendimento, deve seguir-se após a homologação da lista de classificação final da bolsa de recrutamento, com a consequente admissão e a celebração de um Contrato Individual de Trabalho sem termo com estes enfermeiros a recibo verde", conclui.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários