Um em cada três jovens que fez sexo não usou preservativo

Estudo foi feito junto da comunidade de Esposende e pode ser indicativo da realidade nacional

25 de junho de 2014 - 11h22

Um estudo promovido pelo município de Esposende junto da comunidade escolar do concelho revela que 33,1% dos alunos inquiridos que já tiveram relações sexuais não usaram preservativo, foi hoje divulgado.

Segundo o estudo, coordenado pela diretora do Centro de Investigação em Estudos da Criança da Universidade do Minho, Graça Carvalho, 10% dos alunos inquiridos disseram já terem tido relações sexuais, tendo a maioria (60%) tido a primeira experiência depois dos 15 anos.

“Neste domínio, é ainda possível destacar que 66,9% usa preservativo”, refere o município, num comunicado em que dá conta dos resultados do estudo.

O estudo foi realizado no âmbito do projeto da Câmara Municipal “Crescer Saudável”, do qual fazem parte a empresa municipal Esposende Ambiente, os agrupamentos de escolas do concelho, a Escola Secundária Henrique Medina e o Centro de Saúde.

O objetivo foi fazer uma caraterização dos estilos de vida das crianças e jovens em idade escolar, em termos de hábitos alimentares, atividades físicas, lazer, horários de sono, consumo de álcool, tabaco, medicamentos e outras substâncias, bem como a relação com a vida escolar, os afetos, a autoestima e a saúde.

“Os resultados agora apresentados irão permitir definir uma estratégia mais concertada e planeada das ações a desenvolver pelo grupo de trabalho do projeto Crescer Saudável, constituído em 2010, decorrente da necessidade de conjugar esforços em torno da saúde escolar”, sublinha o município.

No estudo, é possível concluir que 83% das crianças inquiridas toma diariamente o pequeno-almoço e que 96% o faz em casa.

Uns 72% de inquiridos fazem cinco a seis refeições por dia.

Pouco sono


Em termos de hábitos de sono, o estudo conclui que cerca de 10%
dorme menos de oito horas, quer durante a semana quer ao fim de semana,
sendo que esta percentagem assume maior predominância nos alunos do
ensino secundário.

Comentários