Três países mais afetados querem erradicar ébola até abril

Os líderes dos três países da África Ocidental mais atingidos pelo surto de Ébola comprometeram-se, numa cimeira na Guiné-Conacri, no domingo, a erradicar o vírus até meados de abril.
créditos: EPA/ALEX DUVAL SMITH

O surto, que começou há 14 meses, fez mais de 9.200 mortos na Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria.

O Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Conde, e os seus homólogos da Libéria e Serra Leoa, Ellen Johnson Sirleaf e Ernest Bai Koroma, fizeram a promessa na sequência de uma jornada de reuniões à porta fechada na capital da Guiné-Conacri.

O compromisso passa por alcançar “zero infeções” dentro de 60 dias.

Guiné-Bissau em risco

Os riscos de contágio por Ébola continuam a existir na Guiné-Bissau, apesar de o país não ter registado nenhum caso, alerta um boletim do Observatório da África Ocidental do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD).

"Nenhum caso de febre Ébola foi oficialmente declarado no país" mas, "dada a debilidade do sistema de saúde e a geografia do país, que faz fronteira com a Guiné-Conacri, o risco de contágio permanece", refere.

O boletim datado de janeiro e divulgado pelo BAD na última semana, na Internet, é dedicado ao setor da Saúde.

O Observatório refere que, apesar de o governo guineense e os seus parceiros terem preparado um plano de emergência para enfrentar o vírus Ébola, continua a faltar parte do financiamento necessário para implementar a estratégia.

Desde o início da epidemia na África Ocidental, 22.894 pessoas foram infetadas em nove países e 9.177 morreram.

Todas as mortes, exceto 15, ocorreram na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa.

Comentários