Termas de Águas, em Penamacor, reabrem na segunda-feira

Estas termas têm indicação terapêutica para doenças do aparelho respiratório e reumáticas
17 de setembro de 2014 - 15h11
As Termas da Fonte Santa, em Águas, concelho de Penamacor, reabrem na segunda-feira depois de terem estado encerradas durante quase um ano, anunciou hoje o presidente da autarquia, António Luís Beites.
"A Câmara Municipal assumiu a gestão administrativa com base no contrato de concessão e no alvará de concessão do recurso hídrico da água, que é o município de Penamacor. Além disso, realizámos obras de melhoramento do balneário e temos tudo preparado para abrir na segunda-feira, dia 22 ", referiu.
António Luís Beites falava durante a reunião semanal de executivo, durante a qual adiantou que ao longo do próximo ano a autarquia também pretende avançar com um projeto de alargamento daquela estrutura e para o qual será lançado um concurso de ideias.
"Estamos comprometidos com a Direção Geral de Energia e Geologia para, durante o ano de 2015, termos o projeto com as respetivas especialidades concluído, acrescido da execução física de um furo de captação de água", especificou.
O autarca sublinhou que as Termas da Fonte Santa têm "todas as condições médicas e de recursos humanos para começarem a funcionar" e revelou que, "para já", o balneário, que tem capacidade para cerca de 40 pessoas, irá funcionar com cerca de sete pessoas, já incluindo os médicos contratados para o efeito.
As Termas da Fonte Santa têm indicação terapêutica para "doenças do aparelho respiratório" e para "doenças reumáticas e musculoesqueléticas", tal como consta do despacho de reconhecimento terapêutico publicado em Diário da República, no dia 27 de fevereiro.
Segundo inscrição existente numa das pedras de granito do balneário, aquele espaço existe desde 1856 e estava encerrado desde novembro de 2013, devido a um diferendo com a cooperativa "Águas Coop", que reivindicava a propriedade das Termas.
Questionado pelos jornalistas, António Luís Beites garantiu que tal diferendo está "por parte da autarquia, totalmente ultrapassado".
Por Lusa
artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários