Temperaturas máximas vão subir a partir de domingo

Temperaturas vão rondar os 25 e os 30 graus no litoral e os 30 e os 35 no interior
12 de julho de 2013 - 08h22



As temperaturas máximas vão subir entre dois a quatro graus Celsius a partir de domingo, valores considerados normais para a época, disse à agência Lusa Patrícia Gomes, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).



“As temperaturas máximas vão sofrer uma pequena descida nas regiões do interior no sábado e no domingo mantêm-se estáveis, sendo que no final do dia vão sofrer uma pequena subida em especial nas regiões do litoral”, adiantou a meteorologista do IPMA.



De acordo com Patrícia Gomes, a partir de domingo as temperaturas máximas vão subir em média entre dois a quatro graus, dependendo da região do país.



“De um modo geral vão variar entre os 25 e os 30 graus Celsius nas regiões do litoral e nas regiões do interior entre os 30 e os 35 graus, ou seja, valores normais para a época”, salientou.



“Para hoje e para o fim de semana estamos a prever céu pouco nublado ou limpo, mas com nebulosidade no litoral norte e centro e na região sul até ao final da manhã, períodos de chuva fraca ou chuvisco para as regiões do norte e centro em especial no interior, aguaceiros acompanhados de trovoada e vento fraco a moderado nas terras altas”, adiantou a meteorologista.



Patrícia Gomes explicou que o anticiclone está numa posição diferente da do fim de semana passado, altura em que as temperaturas estiveram acima dos 40 graus.



“Temos também uma depressão térmica situada no interior da Península Ibérica e esta conjugação provoca uma corrente de oeste que transporta até nós um ar marítimo um pouco mais húmido e que acaba por originar temperaturas mais baixas do que no fim de semana”, disse.



De acordo com Patrícia Gomes, na próxima semana as temperaturas máximas vão ficar dentro dos valores normais para a época.



Cuidados de saúde



A DGS alerta que a exposição ao calor intenso, particularmente durante vários dias consecutivos, “pode produzir efeitos negativos na saúde humana”.



Esses efeitos, avisa, manifestam-se “através do agravamento de doenças crónicas, principalmente na população idosa, e de doenças relacionadas com o calor, como as cãibras, esgotamento por calor e a situação mais grave: os golpes de calor”.



Procurar ambientes frescos, aumentar a ingestão de água ou de sumos de fruta natural , visitar e acompanhar os idosos, assegurar que as crianças bebem água, utilizar protetor solar com fator igual ou superior a 30, utilizar roupa solta e evitar atividades que exijam grandes esforços físicos entre os principais conselhos da organização.



SAPO Saúde com Lusa



artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários