Surto de ébola já matou 72 pessoas na Guiné Conacri

Organização Mundial de Saúde não pretende recomendar restrições nas viagens para a Guiné-Conacri

31 de março de 2014 - 12h22

O surto de ébola que atinge a Guiné Conacri já provocou a morte de 72 das 112 pessoas infetadas, revelou hoje o chefe do governo do país, Alpha Condé.

De acordo com a mensagem difundida através da televisão estatal, Condé disse também que a ajuda da comunidade internacional permitiu adotar todas as medidas necessárias para conter o vírus.

As últimas informações permitem ser "otimistas" sobre uma rápida solução para a epidemia, afirmou Condé que dirigiu as condolências aos familiares das 72 pessoas que morreram.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou hoje que o surto estendeu-se à Libéria onde exames médicos confirmaram dois casos de ébola.

Na Serra Leoa, que tal como a Libéria faz fronteira com a região da Guiné Conacri onde se detetou o surto, identificaram-se dois casos suspeitos, tendo as pessoas infetadas morrido.

O Senegal já ordenou o encerramento das fronteiras com a Guiné Conacri para evitar a propagação do vírus que se transmite pelo contacto direto através do sangue, fluidos e tecidos corporais das pessoas ou animais infetados.

OMS não recomenda restrições

A Organização Mundial de Saúde (OMS) não pretende recomendar restrições nas viagens para a Guiné-Conacri, apesar do maior surto do vírus ébola em sete anos ter chegado à capital do país e dos receios dos Estados "vizinhos".

Comentários