Substância presente em plásticos pode ser tóxica, alertam especialistas

A exposição ao bisfenol A (BPA), substância encontrada no plástico, pode fazer mal à saúde e os níveis toleráveis de exposição a este químico devem ser reduzidos a um décimo, defendeu na sexta-feira a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA), destacando que este químico pode afetar, entre outros órgãos, fígado, rins e glândulas mamárias.
créditos: AFP

"Os nossos especialistas identificaram riscos para a saúde associados à exposição ao BPA", que é "suscetível de ter efeitos desfavoráveis nos rins e fígado, assim como efeitos na glândula mamária", anunciou a EFSA numa nota.

Os "possíveis efeitos do BPA nos sistemas reprodutivo, nervoso, imunológico, metabólico e cardiovascular, assim como no desenvolvimento de cancro (...) poderão constituir uma preocupação para a saúde humana", avalia a agência.

Os especialistas recomendam, consequentemente, que "a dose diária tolerável para o BPA seja rebaixada, do nível atual de 50 µg diários por kg de peso corporal para 5 µg por kg".

A EFSA explicou que "o risco sanitário para todos os grupos da população é baixo, inclusive para o feto, bebés e crianças", embora esta substância química esteja presente em muitos recipientes de alimentos.

Segundo Iona Pratt, presidente do grupo científico da EFSA, "a exposição dos consumidores ao BPA é inferior" aos valores agora defendidos pela agência.

Em março, a mesma agência prevê publicar um relatório com mais detalhes sobre os perigos da substância.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários