Sociedade defende que hospitais devem ter mais do que um endocrinologista

A Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo defende que "todos os hospitais do país devem ter endocrinologistas, devido à prevalência crescente de doenças do foro endocrinológico como a diabetes e as doenças tiroideias", sustenta Silvestre Abreu, vice-presidente da Sociedade.
créditos: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

“A par da formação, é necessário a abertura de quadros para a colocação dos especialistas de Endocrinologia nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde pois só estes profissionais estão habilitados a fazer o enquadramento e gerir as situações endocrinológicas de forma eficaz e custo-efetiva, sem duplicação de exames desnecessários, por exemplo", acrescenta o médico da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo (SPEDM).

Neste sentido, a SPEDM tem procurado, junto do Ministério da Saúde, que sejam abertas vagas em todos os hospitais do país, para colocação "não de um, mas de dois ou mais endocrinologistas, uma vez que apenas um especialista e isolado, dificilmente conseguirá abranger todas as situações e resolver os problemas destes doentes", sublinha Silvestre Abreu.

O endocrinologista alerta ainda que "atualmente há jovens endocrinologistas sem capacidade de colocação, ou seja, no desemprego no sector público".

Este é um dos temas em destaque no Congresso Português de Endocrinologia 2015, que irá realizar-se, no Funchal, entre os dias 22 a 25 de janeiro.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários