Se tem menos de 50 anos, não deve entrar no trabalho antes das dez

Paul Kelley, investigador do Instituto do Sono e professor de Neurociência na Universidade de Oxford, defende que as pessoas com menos de 50 anos não devem ser obrigadas a entrar no trabalho antes das 10 horas da manhã e que os adolescentes só devem ter aulas depois das 11.

Paul Kelley é o professor e o chefe que todos os alunos queriam ter.

O investigador - autor de um estudo que descreve as alterações que se fazem sentir nos ritmos circadianos - diz que para uma criança de 10 anos a hora natural para acordar está perto das 6h30 da manhã, mas para uma pessoa com 18 anos essa hora poderá ser só às 09h00, acrescentando que os horários não voltam aos níveis da infância até que a pessoa chegue aos cinquenta anos.

Acordar a uma hora diferente daquela que é a natural para o corpo humano pode prejudicar a prestação diária, relata o investigador ao Guardian.

"Um alarme a tocar às 07h00 para adolescentes mais velhos é equivalente a um alarme às 04h30 para um professor de 50 anos", lê-se no estudo.

Paul Kelley diz ainda que pedir a alguém para acordar cedo demais é o mesmo que pedir para controlar o ritmo cardíaco.

Os ritmos circadianos são comandados pela luz que é captada pelos olhos e transmitida ao cérebro, explica o investigador. Devido a este desfasamento entre os ritmos naturais de sono e os ritmos impostos pelos horários, muitas pessoas levantam-se antes do que o que lhes seria natural, roubando até duas horas e meia de sono por dia.

Por isso, Kelley recomenda que as escolas e locais de trabalho adaptem as horas de entrada às idades dos trabalhadores e alunos, de forma a evitar a privação de sono.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários