Sardoal quer atenuar falta de médicos com acordo de descentralização

Atenuar o número de utentes sem médico de família e aumentar os cuidados de saúde de proximidade são os objetivos de um protocolo que a Câmara de Sardoal assinou com o Governo para a descentralização de competências.
créditos: LUSA

"Num concelho em que cerca de 50% da população se encontra sem médico de família, constituímo-nos como parceiro privilegiado do Ministério da Saúde neste projeto para que possamos procurar soluções rápidas, eficientes e eficazes para os problemas que temos", disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal do Sardoal, Miguel Borges (PSD).

Uma Academia da Mobilidade e uma Unidade de Cuidados na Comunidade são algumas das valências que a população do concelho de Sardoal passará a ter "a todo o instante" e que "vai trazer mais benefícios para a população", em termos de cuidados médicos de proximidade, afirmou.

Contactado pela Lusa, o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo disse que a Unidade de Cuidados de Saúde Primários (UCSP) de Sardoal tem 3.883 utentes frequentadores inscritos, dos quais 2.158 utentes têm médico de família e 1.723 utentes estão sem médico de família, sendo "uma das situações mais complicadas" na sua área de influência (11 municípios).

Ao abrigo deste acordo, a Câmara de Sardoal vai criar uma Unidade de Cuidados na Comunidade que pretende "dar apoio aos mais idosos e aos que estão com mais dependências, com visitas de apoio domiciliário", disse o autarca, tendo destacado o "trabalho conjunto" entre o município e a Administração Regional de Saúde (ARS-LVT) "para solucionar a questão do pessoal médico e de enfermagem".

De igual forma, está prevista a criação da denominada Academia da Mobilidade, um "espaço para a prática do exercício físico como forma de combater males de saúde, como sejam a reabilitação cardíaca ou o combate à obesidade infantil, com acompanhamento e orientação de por técnicos especializados", destacou.

O protocolo, que tem um período de cinco anos e será avaliado anualmente, envolve as competências de gestão de equipamentos e infraestruturas, definição de estratégia municipal ou intermunicipal de saúde, ajustamento de horários, desenvolvimento de oferta complementar, transporte de utentes não urgentes, e ações de prevenção de saúde.

Este acordo envolve, além do município de Sardoal, os municípios de Cascais, Fronteira, Mafra, Pampilhosa da Serra, Rio Maior, Sousel, Vila Nova de Famalicão e a Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (que agrega 11 municípios).

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo disse ainda à Lusa que a UCSP conta, neste momento, com a prestação de um médico de família, sendo que, para os utentes frequentadores sem médico, estão alocadas à Unidade de Saúde do Sardoal 30 horas semanais de prestação de serviços médicos de uma empresa privada.

À unidade de Saúde de Sardoal desloca-se ainda uma profissional médica, uma vez por semana, para acompanhar grupos de risco, nomeadamente consultas de saúde infantil e saúde materna, acrescentou.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários