Saída de médicos coloca hospital de Vila Real em risco de colapso

A Ordem dos Médicos do Norte e os sindicatos do setor alertaram esta segunda-feira para o “risco de colapso” no centro hospitalar sediado em Vila Real, devido à saída de médicos anestesistas e ao cancelamento de cirurgias.
créditos: AFP

Miguel Guimarães, presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos, disse que o serviço de anestesia do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), que abrange os hospitais de Vila Real, Chaves e Lamego, está numa situação “claramente preocupante” após a saída, desde janeiro de 2014, de nove médicos desta especialidade.

O responsável, que falava aos jornalistas após uma visita ao CHTMAD, acrescentou que esta unidade hospitalar possui “apenas 18” especialistas desta área, “quando deveria ter 41”.

Por causa disso, desde abril, “quase metade das cirurgias foram adiadas”.

“Isto quer dizer que, neste momento, tem que se selecionar que cirurgias é que fazem semanalmente. Muitos doentes veem consecutivamente a sua cirurgia adiada. Isto cria desigualdades no sistema”, afirmou.

E a falta de médicos anestesistas está a provocar, por arrasto, problemas em outras especialidades como na cirurgia geral, na urologia, na otorrinolaringologia, oftalmologia ou ortopedia.

Miguel Guimarães frisou ainda que, com a “atividade cirúrgica a reduzir de forma brutal”, o CHTMAD está também a perder financiamento.

O Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos juntou-se hoje ao Sindicato dos Médicos do Norte e ao Sindicato Independente dos Médicos para uma tomada de posição conjunta sobre a “situação preocupante” que se vive no CHTMAD.

Comentários