Respirar "a sério" depois de um transplante pulmonar pode até assustar

Dos doentes transplantados entre 2001 e 2014, dois terços estão vivos
4 de junho de 2014 - 13h05



Susana Ferreira, 16 anos, nem sabia o que fazer com tanto ar quando conseguiu respirar normalmente após o transplante pulmonar a que se submeteu, há três anos, no Hospital de Santa Marta, que já transplantou 100 pulmões.



À margem da cerimónia que assinalou este número histórico – que em rigor são 103 transplantes pulmonares – Susana Ferreira recordou que, por causa de uma fibrose quística, os seus pulmões foram ficando estragados, de tal forma que já nem aos tratamentos reagiam.



Os dias de Susana passaram a ter a companhia permanente de uma bilha de oxigénio e quando a doença agravou deixou de falar, sendo obrigada a comunicar através de mensagens de telemóvel.



O transplante realizou-se a 22 de janeiro de 2012 e surpreendeu-a com a quantidade de ar que permitiu chegar aos pulmões.



“Conseguir correr é cá uma coisa”, disse, considerando que os cuidados que tem de ter, a nível da alimentação e dos ambientes fechados, são “restrições que valem a pena”.



Há dez anos foi Ana Mafalda dos Santos que, também por causa de uma fibrose quística, recebeu um transplante pulmonar no Hospital de Santa Marta, pelas mãos de Henrique Vaz Velho – pioneiro do transplante pulmonar em Portugal.



Hoje, com 39 anos, garante que a sua vida mudou desde que recebeu um pulmão novo, pois antes disso as dificuldades respiratórias limitavam-lhe as atividades.



Foi após uma crise grave que acordou já transplantada e pode, finalmente, respirar sem bomba de oxigénio.



Para José Fragata, coordenador do Programa de Transplantação e cirurgião cardiotorácico no Hospital de Santa Marta, os doentes como Susana e Ana são “os heróis desta comemoração”.



“Com eles aprendi lições de bravura e de esperança”, adiantou o médico, durante a cerimónia comemorativa.



Este serviço tem atualmente 26 doentes em lista de espera e conta com uma média de 246 dias de espera para o transplante.

Comentários