Projeto português combate mosquitos e pragas através de reabilitação de lagos e charcos

Investigadoras do Porto criaram um projeto que ajuda a purificar a água, a controlar as cheias e a combater os mosquitos e pragas agrícolas, através da construção e reabilitação de lagos e charcos, em meio natural ou urbano.

"Os charcos e lagos, especialmente nas cidades, funcionam como corredores ‘azuis e verdes’, disponibilizando uma vasta lista de serviços ambientais, como a purificação da água, através de processos de biorremediação [processo de recuperação ambiental através de microorganismos ou enzimas]", disseram à Lusa as investigadoras responsáveis pelo projeto Bioaqua Solutions, Ana Ferreira, Cristina Calheiros e Ester Almeida.

Essas massas de água, segundo indicaram, têm igualmente influência nas alterações climáticas, uma vez que promovem o controlo de cheias - funcionando como esponjas, libertando e absorvendo a água -, e na captura de dióxido de carbono, devido ao elevado número de plantas que contêm.

Para além disso, apoiam no combate às pragas - como mosquitos e pragas agrícolas -, através da presença de predadores naturais (sapos e libélulas, por exemplo), e na criação de zonas educativas e de lazer, que "melhoram a qualidade de vida dos cidadãos".

De acordo com as investigadoras, a construção e a manutenção incorreta das massas de água resulta em desequilíbrios no ecossistema e em efeitos indesejados (como a má qualidade da água) para os seus proprietários, que podem ser municípios, empresas e pessoas individuais.

O Bioaqua Solutions, desenvolvido por Ana Ferreira e Cristina Calheiros, do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), e Ester Almeida, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEP), foi pensado para construir e reabilitar essas massas de água, através de métodos de base científica.

Esses métodos científicos baseiam-se "na otimização dos processos naturais destes ecossistemas, através de técnicas como a implementação estratégica de plantas e materiais naturais para purificação da água, aliadas à  restruturação física dessas zonas, potenciando assim a sua utilização pela biodiversidade local", explicaram.

Com esta "abordagem sistémica e multidisciplinar, pretendemos criar ecossistemas equilibrados e, por isso, autossustentáveis, para que seja possível usufruirmos ao máximo dos serviços ambientais que estes oferecem", acrescentaram.

O projeto fornece ainda formações direcionadas para entidades públicas, privadas ou particulares, com a finalidade de as capacitar para a manutenção das suas massas de água, bem como apoio à elaboração de projetos nesta área.

O Bioaqua Solutions foi apoiado pelo Business Ignition Programme (BIP), um programa da Universidade do Porto, do CIIMAR e do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), que, ao longo de 12 semanas, auxiliou dez equipas na estratégia de valorização dos seus projetos de investigação.

O BIP, é cofinanciado pelo Programa Operacional Regional do Norte (NORTE 2020), através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Veja ainda: As 10 doenças mais transmitidas pelos mosquitos

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários