Portuguesa premiada com bolsa para estudar doença que causa cegueira

Raquel Santiago, investigadora do Instituto de Imagem Biomédica e Ciências da Vida (IBILI) da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), foi a única investigadora portuguesa a ser contemplada com uma bolsa do “Global Ophthalmology Awards Program” (GOAP) da Bayer HealthCare.
créditos: AFP/SPENCER PLATT

A bolsa, no valor de 50 mil dólares, destina-se ao estudo de novas estratégias de combate à retinopatia diabética, a complicação mais frequente da diabetes e uma das principais causas de cegueira a nível mundial.

O estudo, intitulado "Gerir a inflamação na retinopatia diabética por bloqueio do recetor A2A de adenosina", foca-se em verificar se ao bloquear o recetor A2A de adenosina – recetor que deteta a presença de adenosina - é possível travar a progressão da doença.

Isto porque estudos anteriores desenvolvidos pela equipa da investigadora no laboratório "Retinal Dysfunction and Neuroinflammation" da FMUC, liderado pelo Doutor Francisco Ambrósio, demonstraram que o bloqueio deste recetor previne a ativação das células da microglia (células do sistema imunitário) e a morte de células da retina.

"Em situações normais, as células da microglia estão constantemente a vigiar o microambiente que as rodeia, tendo um papel muito importante na homeostasia do sistema nervoso central, mas na diabetes as suas funções estão modificadas, promovendo a resposta inflamatória que pode contribuir para a morte celular na retina", explica Raquel Santiago.

Sabendo que as células da microglia "possuem os recetores A2A, pretendemos bloquear a ação destes recetores por forma a prevenir a inflamação associada às células da microglia e, desta forma, a morte das células da retina, travando a progressão da doença", esclarece.

Os investigadores prepararam-se para iniciar um conjunto de experiências em modelos animais de diabetes, que serão tratados com um bloqueador de recetores A2A de adenosina, para estudar como reage a retina e se as células da microglia ficam menos reativas.

Estima-se que, após 20 anos com diabetes, cerca de 90 por cento dos doentes com diabetes tipo 1 e mais de 60 por cento dos doentes com diabetes tipo 2 sofrem de retinopatia diabética.

A procura de novas estratégias terapêuticas de combate à doença é muito pertinente porque "os atuais tratamentos são dirigidos às fases avançadas da patologia, extremamente invasivos e pouco eficazes. Se for possível encontrar uma terapêutica que permita o tratamento numa fase mais inicial, o impacto na qualidade de vida do doente com retinopatia diabética será muito elevado", sublinha a investigadora principal do estudo, que vai receber o prémio no próximo dia 19 de setembro, em Nice (França), durante o EURETINA - Congresso Europeu das doenças da retina.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários