Portugal sobe três lugares em índice de saúde europeu

Portugal está classificado em 13.º lugar no Índice Europeu de Saúde dos Consumidores de 2014, divulgado esta terça-feira, em Bruxelas, com 722 pontos de um máximo de 1000 e três posições acima do estudo de 2013.

A Holanda continua no primeiro ligado do Índice Europeu de Saúde dos Consumidores (IESC), com 898 pontos de um máximo de 1.000, seguida pela Suíça, Noruega, Finlândia e Dinamarca.

A 8.ª edição do estudo inclui 36 países e a Escócia e conclui que, apesar de ligeiras reduções nos gastos com a assistência médica em muitos países, o desempenho total da assistência médica continua a melhorar.

O IESC considera que, apesar de estar "sob forte pressão financeira, Portugal tem conseguido superar insuficiências históricas, tais como acesso deficiente e resultados fracos, o que lhe valeu a subida de três lugares em relação a 2013".

O país terá ainda, recomenda o estudo, de melhorar no campo da prevenção, nomeadamente do tabagismo e do abuso do álcool, que "se mantêm em níveis altos".

No que respeita aos antibióticos, foi reduzido o seu uso excessivo "mas as infeções hospitalares resistentes são ainda uma ameaça importante".

Melhores resultados na espera

Portugal aumentou 51 pontos para os 722 desde o estudo de 2013, o que, para os responsáveis do IESC, reflete a melhoria dos direitos e informações e acesso dos pacientes. O estudo revela também que tem sido enfrentado com bons resultados o problema da tradicional longa espera da assistência médica portuguesa, o que contradiz a situação verificada nestas primeiras semanas de janeiro com longas filas e elevados tempos de espera em várias urgências hospitalares.

Comentários