Passos diz que Governo esteve ao lado do SNS “no seu momento mais difícil”

Serviço Nacional de Saúde comemora hoje 35 anos
15 de setembro de 2014 - 10h30



O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, enalteceu hoje o Serviço Nacional de Saúde (SNS) como "instituição basilar" de uma "sociedade próspera", advogando que o Governo esteve ao lado do SNS "no seu momento mais difícil".



"Este Governo esteve ao lado do SNS ao preparar o seu futuro. E foi por isso que assumimos a responsabilidade pela sua reforma e pela sua continuidade. Por vezes existe a ideia errada de que a introdução de reformas indica uma ruptura com a instituição e com a sua vocação. Mas é exatamente o contrário", declarou Pedro Passos Coelho, em Lisboa, na abertura da sessão comemorativa do 35.º aniversário do SNS.



No seu discurso na cerimónia que decorre durante o dia de hoje no polo de Campolide da Universidade Nova, Passos Coelho sustentou que o Governo tem vindo a "trabalhar intensamente" para que o SNS "possa servir não só os portugueses de hoje, mas os portugueses de amanhã".



"Com a pré-bancarrota de 2011, o SNS sofreu a maior ameaça de toda a sua história. É preciso termos consciência deste facto indiscutível (...). Ora, este Governo agiu", declarou o primeiro-ministro.



Para o chefe de Governo, os "maiores depreciadores do consenso nacional em torno do SNS são aqueles que são indiferentes à sua sustentabilidade", sendo que a valorização do Serviço de Saúde "não se mede com palavras inconsequentes", mas antes com "compromissos políticos e com escolhas públicas".



"Recebemos dos portugueses a responsabilidade de salvar o SNS e de o transmitir mais forte, mais eficiente e mais transparente às gerações serguintes. Foi o que fizemos. É o que continuaremos a fazer", sustentou.



Passos Coelho falou também daquilo a que chamou a "recuperação financeira" da saúde pública: a redução dos custos, advogou, "foi feita de forma assimétrica, com ênfase nos agentes com mais poder e que conservavam maiores margens de lucro".



No que refere ao défice global do sistema, agrupando os hospitais EPE e o SNS, o valor, disse o primeiro-ministro, era de mais de 830 milhões de euros em 2010, sendo que em 2013 "esse défice global estava reduzido a 150 milhões de euros e o défice do SNS já tinha desaparecido".



"Para este ano, contamos com um equilíbrio financeiro global, estancando-se a acumulação de novos pagamentos em atraso", ressalvou o primeiro-ministro.



Os três anos de "intensa atividade" do Governo foram destacados numa intervenção de cerca de 20 minutos, na qual foram abordadas decisões tomadas em áreas como a vacinação, consultas, médico de família e taxas moderadoras, por exemplo.



A "determinante resposta" dos profissionais de saúde foi também enaltecida por Pedro Passos Coelho, que elogiou a "dedicação e o profissionalismo que revelam todos aqueles que em cada dia trabalham para proporcionar aos utentes o melhor serviço a que têm direito".



"Não exagero quando digo que todos os portugueses depositam uma confiança fundamental em todos eles. São eles a quem recorremos em momentos de maior vulnerabilidade. É do seu julgamento profissional que dependemos. É com a sua competência e dedicação que contamos nessas horas de inquietação natural", declarou.



Por Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários