Países em desenvolvimento estão cada vez mais expostos ao mercúrio

O envenenamento por mercúrio afeta o sistema imunológico e todo o corpo humano
11/01/2013 - 09h22



As comunidades dos países em desenvolvimento enfrentam cada vez mais riscos sanitários e ambientais devido à exposição ao mercúrio, alertou na quinta-feira o Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas.



Várias áreas dos continentes africano e asiático e também da América do Sul estão sujeitas a um aumento das emissões de mercúrio no meio ambiente, devido ao crescente uso do metal nas explorações mineiras de pequena escala e à combustão de carvão para criação de eletricidade.



Esta exposição "representa uma ameaça direta para a saúde de 10 a 15 milhões de pessoas diretamente envolvidas na mineração do ouro", informou o diretor do programa Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas, Achim Steiner.



"O mercúrio continua a ser um grande desafio global, regional e nacional em termos de ameaça à saúde humana e ao meio ambiente", acrescentou.



O anúncio antecipa a conferência do Comité de Negociação Internacional sobre o Mercúrio agendada para 13 e 18 de janeiro, em Genebra, e que visa discutirum tratado global para minimizar os riscos da exposição a este metal.



Peixe contaminado chega à mesa dos consumidores



"Nos últimos 100 anos, as emissões provocadas pelo ser humano duplicaram a quantidade de mercúrio a cem metros de profundidade nos oceanos e a concentração em águas mais profundas aumentou 25%", acrescentou a empresa nova iorquina Blacksmith que lembrou que grande parte da exposição humana ao mercúrio se deve ao consumo de peixe contaminado.



O envenenamento por mercúrio afeta o sistema imunológico e pode levar a distúrbios psicológicos, perda dos dentes e problemas nos aparelhos digestivo, cardiovascular e respiratório.



Vários relatórios da ONU dão conta do aumento dos níveis de mercúrio no Ártico, onde 200 toneladas da substância são depositadas todos os anos.



"Devido à rápida industrialização, a Ásia é o maior emissor regional de mercúrio e responde por quase metade de todas as emissões globais", destacou o comunicado das Nações Unidas.



Nuno de Noronha com AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários