Ordem dos Enfermeiros cria grupo para atuar em situações de catástrofe nos Açores

Os Açores vão dispor, até ao final de 2015, de um novo grupo com 10 a 15 enfermeiros qualificados para atuarem em situações de exceção e catástrofes, anunciou a secção regional da Ordem dos Enfermeiros.
créditos: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

“Nós inicialmente estamos a pensar reunir entre 10 e 15 enfermeiros nesta formação de alta qualidade”, afirmou o presidente da secção, Tiago Lopes, em declarações à Lusa, acrescentando que o “grande objetivo” passa por ter enfermeiros com esta preparação em cada uma das nove ilhas açorianas.

O Corpo de Enfermeiros para Situações de Exceção (CESE) foi hoje apresentado na sede da Secção Regional dos Açores da Ordem dos Enfermeiros, em Ponta Delgada.

O responsável precisou que a criação deste corpo de enfermeiros “não pretende substituir ou competir” com nenhuma organização ou entidade oficial já instalada, mas antes “complementar o esforço das equipas de socorro, com vista à melhoria da qualidade e eficácia” da resposta.

“Nos Açores temos toda a estrutura orgânica em termos de Proteção Civil, que dá a assistência necessária em caso de crise, catástrofe, as ditas situações de exceção que podem afetar a população”, referiu o enfermeiro Tiago Lopes, acrescentando que em situações de emergência “todos os recursos humanos são sempre manifestamente insuficientes”.

A formação e treino de “alta qualidade” que serão disponibilizados aos futuros elementos do CESE vão permitir-lhes desenvolver a sua ação em qualquer cenário, sem representar qualquer peso às restantes equipas de socorro no terreno.

Tiago Lopes disse que para a constituição deste corpo serão abertas candidaturas, consoante as necessidades apuradas, em colaboração com as entidades competentes, com vista a uma cobertura total do arquipélago.

A candidatura será voluntária e a seleção e a incorporação serão feitas após o estabelecimento de critérios pré-definidos e após frequência e aprovação numa formação específica.

O representante da Ordem dos Enfermeiros nos Açores salientou que “situações de exceção pedem respostas rápidas, com intervenções devidamente habilitadas e estruturadas, em que se configura a acessibilidade a cuidados de enfermagem gerais e especializados”, e lembrou que os Açores têm “particularidades e especificidades muito próprias”.

Tiago Lopes adiantou ainda que nos Açores existem 1.900 enfermeiros.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários