Opinião: ADSE pode ser uma oportunidade de sustentabilidade

A opinião de Germano de Sousa, médico especialista em Patologia Clínica, antigo bastonário da Ordem dos Médicos.

De acordo com o Orçamento de Estado de 2015 a ADSE transferiu-se para a tutela do Ministério da Saúde. É um subsistema melhor que qualquer seguro de saúde e atualmente totalmente autossustentável pelas quantias que os beneficiários pagam do seu bolso.

Os beneficiários orgulham-se deste seguro e não querem que seja alterado, nomeadamente no seu direito à livre escolha do seu médico privado ou da unidade de saúde privada onde querem ser tratados. Para isso, descontam 3,5% do seu salário e continuam, como qualquer português, a pagar também o seu IRS, ou seja a pagarem duplamente pelo seu acesso a cuidados de saúde, tudo porque não querem ser incluídos no “mainstream” do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Esperemos que esta mudança de tutela não venha a significar a dissolução do único direito ainda deixado por este Governo aos funcionários públicos e suas famílias e, bem pelo contrário, venha a proporcionar o alargamento do conceito de seguro de saúde a toda a população criando a liberdade de escolha dos doentes, como fator de eficácia e de sustentabilidade de um SNS que constitucionalmente deve ser tendencialmente gratuito.

O Estado através do Ministério da Saúde deve acentuar a sua intervenção enquanto financiador e regulador do sistema, reduzindo a sua intervenção como prestador direto de cuidados de saúde. Se aos doentes for dada a possibilidade de escolha entre as unidades do SNS, ou mesmo, entre os serviços públicos de saúde e os estabelecimentos sociais ou privados, haverá uma maior racionalização dos custos e da oferta. No dia em que houver essa possibilidade, possivelmente vamos concluir que há hospitais a mais e que os médicos de família existentes chegam para as necessidades da população.

A experiência da ADSE é positiva, pois apresenta custos de funcionamento mais baixos e melhores níveis de eficácia comparativamente aos cuidados de saúde prestados diretamente pelo Estado.

Por Germano de Sousa, Médico Especialista em Patologia Clínica

Germano de Sousa, Médico Especialista em Patologia Clínica

artigo do parceiro:

Comentários