Novo site esclarece direitos no acesso à informação de saúde

Com o objetivo de esclarecer os portugueses sobre todas as questões relacionadas com o direito de acesso à sua informação de saúde, nomeadamente relatórios médicos e resultados de exames complementares de diagnóstico, acaba de ser lançado um novo site.
créditos: PEDRO NUNES/LUSA

Chama-se Acesso à Informação de Saúde e visa responder às dúvidas da população sobre esta matéria.

Destinado ao cidadão comum e aos profissionais de saúde, este portal surge no âmbito da campanha Informação de Saúde: Mais Transparência, Melhor Decisão, desenvolvida pela Associação Fazedores da Mudança.

"A esmagadora maioria dos portugueses não conhece os direitos de acesso à sua informação de saúde. Não existe também qualquer suporte (escrito ou digital) que sistematize os direitos, procedimentos e garantias do utente, tornando essa informação acessível a todos os cidadãos. Este desconhecimento generalizado associado à controvérsia legal existente na área motivaram a criação deste site", afirma Paula Elias, presidente da Associação Fazedores da Mudança.

Os objetivos da campanha são, entre outros, dotar os portugueses de uma maior consciência para acederem à informação de saúde, nomeadamente onde obter essa informação, quais os direitos que possuem e quais as garantias de que dispõem em caso de recusa de acesso.

Para o efeito foram criados vários suportes informativos disponibilizados no site.

O projeto tem o apoio financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do programa Literacia em Saúde, e pretende envolver a população em geral, os profissionais de saúde e os decisores políticos, através de uma série de ações de sensibilização em todo o país.

Para uma ampla divulgação deste direito junto dos cidadãos em geral, a Associação conta ainda com a parceria da CP, da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto, da MURPI-Movimento Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos, da Ordem dos Médicos e da APDIS-Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários