Mulheres altas correm mais risco de desenvolver cancro

O risco aumenta entre 23 a 29%, refere o estudo
29 de julho de 2013 – 17h22
As mulheres mais altas enfrentam riscos acrescidos em relação a diversos tipos de cancro é a conclusão de um estudo norte-americano publicado na revista científica Cancer Epidemiology, na quinta-feira.
Os investigadores estudaram uma mostra de quase 145 mil mulheres, depois do período da menopausa, ou seja teriam entre 50 e 79 anos, e descobriram que cada 10 centímetros adicionais de altura corresponderiam a um risco 13% maior de contrair cancro.
"Em última instância, o cancro é resultado de um processo relacionado com o crescimento e faz sentido que as hormonas ou outros fatores de crescimento que influenciam a altura também afetem o risco de cancro", explicou o principal autor do estudo, Geoffrey Kabat, epidemiologista do Albert Einstein College of Medicine da Universidade de Yeshiva, em Nova Iorque.
Após 12 anos de acompanhamento das mulheres que começaram o estudo sem ter cancro, os cientistas encontraram vínculos entre uma maior altura e uma maior possibilidade de desenvolver cancro de mama, colo, rim, ovários, reto, tiróide, assim como mielomas múltiplos e melanomas.
O risco aumenta entre 23 a 29%, indica o estudo.
O vínculo com a altura permaneceu inclusivamente depois de os cientistas ajustarem fatores que podem influenciar esses tipos de cancro, como idade, peso, educação, fumo, consumo de álcool ou terapia hormonal.
"É necessário ter em conta que aspetos como a idade, o tabaco, o índice de massa corporal ou outros fatores de risco têm efeitos muito mais consideráveis", acrescentou o líder da investigação.
SAPO Saúde com AFP
artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários