Mortes por diabetes bateram o recorde em 2012, 13 pessoas morreram por dia

Um em cada quatro óbitos nas unidades do Serviço Nacional de Saúde foi de uma pessoa com diabetes
26 de novembro de 2013 - 14h31



O número de pessoas que morreram com diabetes em Portugal atingiu o maior valor de sempre em 2012, com um registo de 13 óbitos diários, segundo o relatório do Observatório Nacional da Diabetes, hoje divulgado.



No mesmo ano aumentou também o número de amputações associadas à doença, invertendo a tendência de redução que se verificava nos últimos anos, de reinternamentos e de novos casos entre crianças e jovens com menos de 14 anos.



Segundo o documento, em 2012 morreram 4.867 pessoas devido à diabetes, um recorde absoluto de mortes por esta doença, que tinham diminuído entre 2010 (4.744) e 2011 (4.536).



No que respeita à mortalidade hospitalar, o observatório sublinha que um em cada quatro óbitos nas unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi de uma pessoa com diabetes.



O relatório aponta para uma perda de sete anos de vida por cada óbito na população com idade inferior a 70 anos.



O número de amputações major (do pé ou do membro inferior) também aumentou, contrariando a tendência de diminuição verificada nos últimos anos, com enfoque em 2011, ano em que se registou a maior redução de amputações da última década (-11%).



Relativamente ao número de novos casos de diabetes, continua a aumentar, tal como se vem verificando nos últimos dez anos, com uma taxa de crescimento médio anual de 3,8%, de 377 por cada 100 mil indivíduos (em 2000) para entre 500 e 900 (em 2012).



Quanto à prevalência da doença em 2012, foi de 12,9% (um ligeiro aumento face aos 12,7% do ano anterior) da população com idades entre os 19 e os 79 anos, o que corresponde a mais de um milhão de pessoas.



O documento revela ainda “um aumento significativo” na taxa de reinternamentos, tendo quase duplicado nos últimos três anos (14,1% em 2009 contra 27,4% em 2012).



Outro dado apontado pelo relatório é a incidência da diabetes tipo 1 nas crianças e jovens até aos 19 anos, que tem aumentado nos últimos dez anos (3.200 casos em 2012).



O observatório realça contudo que foi na faixa mais jovem (até aos 14 anos) que se detetou o maior número de novos casos de diabetes tipo 1 (19,7 novos casos por 100 mil crianças da mesma idade), valor que ultrapassa os 16,3 novos casos registados em 2011 e bastante superior ao registado em 2003.



Ainda segundo os dados do observatório, mais de uma em cada dez pessoas em Portugal tem diabetes, mas quase metade (44%) ainda não estão diagnosticadas.



A prevalência é bastante maior entre os homens (15,4%) do que entre as mulheres (10,6%), e perto de metade da população portuguesa (39,6%) já tem diabetes ou está em risco de a desenvolver.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários