Morreram mais de 260 jovens em acidentes de viação entre 2010 e 2012

31% com jovens mortos ou gravemente feridos verificam-se entre a meia-noite e as 08h00
16 de janeiro de 2014 - 11h39



Duzentos e sessenta e um jovens, entre nos 18 e os 24 anos, morreram em acidentes de viação, em Portugal Continental, no período de 2010 a 2012, disse hoje a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).



Os dados foram divulgados hoje, durante a apresentação da edição deste ano do programa de segurança rodoviária “BP Segurança ao segundo”, destinado a futuros condutores.



Segundo a ANSR, o risco de morte, em acidentes de viação, de jovens entre os 18 e os 24 anos, nos três anos em análise, foi cerca de “30% superior ao da restante população”, ainda assim inferior a valores médios da União Europeia (UE).



A ANSR refere que, na UE, os jovens têm um risco de morte de quase o dobro da média da população dos respetivos países, mas que Portugal, a par da Hungria, registou em 2010 a menor taxa de risco relativa a casos de morte de jovens na União.



Quanto a jovens com ferimentos graves resultantes de acidentes de viação em Portugal Continental, entre 2010 e 2012, o total foi de 1.038, enquanto, com ferimentos ligeiros, se registaram 18.356.



Segundo a ANSR, os condutores constituem 60% dos jovens mortos e feridos graves, ao passo que os passageiros correspondem apenas a 33% dessas vítimas. Os peões constituem sete por cento das vítimas mortais e dos feridos graves.



Cerca de 61% dos condutores jovens mortos e dos feridos graves circulam em automóveis ligeiros, e 34 por cento, em veículos motorizados de duas rodas.



No que respeita à localização, resultam de acidentes em arruamentos urbanos, 42% dos condutores mortos e dos feridos graves, com idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos, e 32%, de acidentes em estradas nacionais.



Em relação aos dias em que ocorrem os acidentes, sábado e domingo registam 40% dos condutores mortos ou com feridos graves, com idades entre os 18 e os 24 anos, enquanto os restantes grupos etários apresentam, para estes dias, uma proporção de 34%.



Quanto às horas dos acidentes, 31% com jovens mortos ou gravemente feridos verificam-se entre a meia-noite e as 08:00, enquanto nas restantes faixas etárias, para este intervalo de tempo, a percentagem é de 17%.



Os despistes são os acidentes mais frequentes na sinistralidade rodoviária jovem, sendo responsável por metade dos mortos e feridos graves. Nas outras faixas etárias, essa percentagem é de 45%.



Nos três anos correspondentes aos dados do estudo da ANSR (2010, 2011 e 2012), o risco de morte dos jovens entre os 18 e os 24 anos, resultante de acidentes de viação, foi de 30%.



Sensibilizar os jovens do ensino secundário e de futuros condutores para as questões da segurança na estrada e para a necessidade de adotarem comportamentos defensivos, como forma de diminuir a sinistralidade rodoviária, são objetivos da campanha.



“Porque na estrada todo o segundo conta” é o tema da iniciativa “BP segurança ao segundo” que, desde 2012, já contactou mais de 1.500 jovens de 105 escolas secundárias portuguesas.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários