Morre médico liberiano com Ébola tratado com soro experimental norte-americano

Outros dois funcionários infetados continuam a apresentar sinais de melhoria
25 de agosto de 2014 - 14h00



Um médico liberiano tratado com um soro experimental norte-americano depois de ter contraído Ébola morreu esta madrugada na Libéria.



"Mostrava sinais de melhoria, mas faleceu",disse o ministro de Informação da Libéria, Lewis Brown, sobre o médico Abraham Borbor.



Outros dois funcionários tratados com este soro, o ZMapp, "continuam o tratamento e há sinais de esperança", indicou o ministro.



Os Estados Unidos entregaram à Libéria no dia 13 de agosto doses de ZMapp para estes três profissionais de saúde. O tratamento, que não tinha sido ainda testado em humanos, também foi administrado em dois norte-americanos que na semana passada foram declarados curados e em um padre espanhol que morreu no dia 12 de agosto. Os três haviam foram infetados na Libéria.



O laboratório que fabrica o ZMapp informou que o medicamento está neste momento esgotado.



O Japão informou esta segunda-feira estar disposto a fornecer um tratamento experimental com o objetivo de lutar contra o Ébola "se a Organização Mundial da Saúde pedir".



Perante a amplitude da epidemia, a OMS considerou ético no dia 12 de agosto oferecer medicamentos cuja eficácia ou efeitos colaterais ainda não foram comprovados como tratamento potencial ou a título preventivo.



Por SAPO Saúde com AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários