Ministro da Saúde vai analisar casos dos médicos proibidos de prescrever medicamentos

Clínicos limitados nas prescrições por causa dos cortes
11 de janeiro de 2013 - 12h21
O ministro da Saúde, Paulo Macedo afirmou esta sexta-feira que irá analisar os “casos concretos” de proibição de prescrição de medicamentos por parte de alguns hospitais e “dar-lhes consequência”.
Paulo Macedo respondia assim à denúncia feita quarta-feira à noite pelo bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, de que há situações de clínicos que estão a ser proibidos de prescrever os medicamentos que consideram adequados para os seus doentes.
“Vamos analisar os casos concretos e dar-lhes consequência”, disse o ministro, à margem de assinatura de protocolos entre os ministérios da Justiça e da Saúde e os hospitais da Luz e do SAMS para regular a adesão destas unidades ao projeto Nascer Cidadão, que decorreu em Lisboa.
Questionado sobre as propostas do Fundo Monetário Internacional para a reforma do Estado na área da Saúde, Paulo Macedo afirmou apenas que são ”um contributo, são sugestões, não são decisões. Iremos analisá-las”.
Relativamente a eventuais alterações nas taxas moderadoras para crianças e grávidas, Paulo Macedo afirmou que o Governo não pensa alterar as taxas moderadoras neste regime.
“O que o Estado pretende é que haja mais crianças a nascer nas maternidades. Nós queremos a totalidade das crianças a vir às maternidades”, afirmou o ministro.
Lusa
artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários