Ministro da Saúde considera lamentável greve dos enfermeiros

O ministro da Saúde classificou de lamentável a greve nacional dos enfermeiros, que está hoje no seu segundo dia, tendo em conta o cenário que se vive nalguns hospitais devido ao surto de legionella em Vila Franca de Xira.
créditos: MARIO CRUZ/LUSA

Paulo Macedo, que reforçou a ideia de que há ‘uma banalização da greve’, lembrou que houve na quinta-feira uma reunião de negociação com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, indicando que uma nova ronda negocial está já agendada.

Sobre os principais motivos da greve, o ministro disse que há questões que não são matéria a ser resolvida pelo Ministério da Saúde, como o caso da reposição das 35 horas de trabalho semanais.

Em relação à contratação de mais enfermeiros e à evolução da carreira, há ainda margem para progredir na negociação com os sindicalistas, segundo afirmou Paulo Macedo à margem da assinatura de um acordo com a indústria farmacêutica em Lisboa.

Hoje, ao final da manhã, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) anunciou que a adesão à greve nos hospitais ronda os 80 por cento, confirmando os valores que tinha registado durante o turno da noite.

Segundo o presidente do SEP, José Carlos Martins, houve "dezenas de centros de saúde sem enfermeiros e milhares de consultas de enfermagem que não foram realizadas".

Sobre a reunião de quinta-feira à tarde no Ministério da Saúde, José Carlos Martins adiantou que não houve da parte do Governo propostas novas ou concretas para resolver os problemas que afetam os enfermeiros.

Comentários