Miguel Oliveira e Silva é o novo diretor clínico do Santa Maria e do Pulido Valente

O obstetra Miguel Oliveira e Silva é o novo diretor clínico do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), substituindo nas funções Maria do Céu Machado, que se demitiu sem setembro, disse à Lusa fonte oficial.

O médico, que é doutorado em Medicina e licenciado em Filosofia, é atualmente o presidente do Conselho Nacional de Ética e Deontologia da Ordem dos Médicos (CNECV), além de professor de Ética Médica, de Bioética e de Filosofia da Ciência e Presidente do Conselho Pedagógico na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

O nome de Miguel Oliveira e Silva foi proposto pelo conselho de administração do CHLN e sujeito a um parecer de avaliação vinculativo pela Comissão de Recrutamento para a Administração Pública (CRESAP).

Na quinta-feira, o nome de Miguel Oliveira e Silva foi confirmado para as funções durante o Conselho de Ministros.

Na página que o CHLN tem na rede social Facebook lê-se hoje que o presidente da instituição, Carlos Neves Martins, “iniciou a sua agenda com uma reunião com o novo diretor clínico, agradecendo-lhe ter aceite o convite e desejou-lhe o maior sucesso nas funções ora iniciadas”.

A 18 de setembro, um dia após ter entregue a carta de demissão ao ministro da Saúde, a pediatra Maria do Céu Machado disse que demitiu-se de funções por não considerar “sustentável” continuar como diretora clínica na conjuntura atual deste hospital”.

Maria do Céu Machado desempenhava funções de diretora clínica desde fevereiro de 2013, acumulando com a direção do departamento de pediatria, onde vai permanecer.

Sobre os 20 meses que passou na direção clínica do Cento Hospitalar Norte, a pediatra considera uma “experiência boa, excelente”.

“Fizemos uma evolução positiva no Centro Hospitalar. Houve várias alterações e acho que o Centro Hospitalar evoluiu de uma forma muito positiva”, declarou à Lusa, sublinhando a solução encontrada para o Pulido Valente, que está hoje definido como um centro de pneumologia, cirurgia torácica e de medicina interna.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários