Médicos portugueses concluem missão humanitária em Moçambique

O Centro de Cirurgia Cardiotorácica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra realizou mais uma “missão cirúrgica humanitária” em Moçambique, onde “prosseguiu a formação de pessoal clínico” e efetuou 18 intervenções cirúrgicas.

Para a missão, que foi a 14.ª missão anual do Centro de Cirurgia Cardiotorácica de Coimbra (CCC) no Instituto do Coração de Maputo, deslocou-se a Moçambique, durante uma semana, uma “equipa constituída por nove profissionais de saúde”, liderada pelo diretor daquele centro, Manuel Antunes.

A equipa de especialistas de Coimbra “desenvolveu diversificadas atividades cirúrgicas e prosseguiu a formação do pessoal clínico pertencente” ao instituto moçambicano, “integrando os quadros cirúrgicos locais nos atos operatórios e com eles repartindo experiências e saberes técnico-científicos”, refere uma nota do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), hoje divulgada.

“Neste aspeto, trabalharam, a par com o pessoal da missão, dois cirurgiões, um anestesista e um técnico de perfusão moçambicanos, sempre coadjuvados pelo demais pessoal do Instituto do Coração”, acrescenta o CHUC.

Durante a missão foram realizadas, “em duas salas operatórias, 18 intervenções cirúrgicas em 18 doentes”, tendo sido, “à semelhança das missões anteriores”, a maior parte das cirurgias efetuada em 16 crianças e doentes jovens, “com valvulopatias reumáticas, com maior incidência da válvula mitral, tendo dois dos doentes agora operados sido previamente submetidos a intervenção cirúrgica cardíaca”.

Aquelas intervenções abrangeram “quatro crianças com idades inferiores a três anos, com cardiopatias congénitas”, sublinha o CHUC, referindo ainda que “todos os doentes tiveram pós-operatórios favoráveis, não se tendo registado qualquer caso de mortalidade ou morbilidade significativa”.

Comentários