Médicos pedem mais consultas de cessação tabágica para acabar com listas de espera

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia quer mais consultas de cessação tabágica nos hospitais e centros de saúde para acabar com as listas de espera de meses que os fumadores têm de esperar para deixar de fumar.
créditos: AFP PHOTO FRED DUFOUR

Além disso, defende um maior envolvimento dos médicos de medicina geral e familiar na prevenção e no encaminhamento dos seus doentes para as consultas de cessação tabágica.

“Existe uma lista de espera significativa nas consultas de cessação tabágica. É precioso disseminar as consultas para que haja maior acessibilidade da população. Não é compreensível que quem quer deixar de fumar esteja meses à espera”, disse à Lusa o médico Robalo Cordeiro, presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP).

Por isso, considera fundamentais os cuidados de saúde primários, mas é a este nível “que a prevenção faz sentido”.

“O médico de família é o que tem maior proximidade com o doente conhece-o numa perspetiva global e é nessa perspetiva que o tabaco deve ser abordado e não apenas na vertente da doença respiratória”, defende.

Também porque o tabaco é uma questão de saúde pública e por isso faz sentido a proximidade dos cuidados primários, considerou.

Para Robalo Cordeiro, é preciso aumentar a acessibilidade e a facilidade de recurso a essas consultas.

“Não existe um número suficiente de consultas para permitir acesso de todos doentes”, sublinhou, descartando a possibilidade de centrar a consulta para deixar de fumar no médico de família.

Comentários