Mais de um milhão de portugueses sofre de doenças da tiróide

Dia Mundial da Tiróide assinala-se amanhã dia 25 de Maio

Segundo a Sociedade de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo (SPEDM) há mais de um milhão de portugueses afetados por doenças da tiróide. Assim, o Grupo de Estudos da Tiróide desta sociedade (GET), com o apoio do IPATIMUP, promove no dia Mundial da Tiróide, assinalado a 25 de Maio de 2011, um encontro dedicado ao público em geral e especialmente àqueles com doença da tiróide.

Neste encontro será analisada a importância da tiróide e as doenças que afetam esta glândula. Irá ser também evocada a necessidade e importância da criação de uma associação de doentes com estas patologias.

As doenças da tiróide são bastante comuns e afetam sobretudo mulheres sendo os principais distúrbios o hipotiroidismo e o hipertiroidismo. Uma vez que este ano o Dia Mundial da Tiróide é dedicado à Doença Nodular, o GET dará especial ênfase aos casos de nódulos e de cancro da tiróide, que são diagnosticados com cada vez mais frequência. Em Portugal, surgem por ano mais de 400 novos casos de cancro da tiróide.

Segundo este grupo de estudos, pelo menos uma em cada 15 mulheres e um em cada 60 homens em Portugal tem um nódulo na tiróide, que pode ser sentido ao toque.

Havendo uma elevada prevalência de nódulos da tiróide na população em geral, a importância da deteção precoce desta patologia deve-se sobretudo ao risco de carcinoma. No entanto, apenas 5 a 10 por cento dos nódulos da tiróide são malignos.

O prognóstico do carcinoma da tiróide é, em geral, excelente, embora cerca de 20 por cento dos casos possam ter um prognóstico mais reservado. O diagnóstico e tratamento precoces do carcinoma da tiróide, são, no entanto, determinantes.

Manter a vigilância periódica é essencial para a deteção precoce de uma eventual recidiva. Ainda que na maioria dos casos a doença esteja localizada, por vezes pode haver disseminação (metástases) no pescoço e a outras partes do corpo muito anos depois da cirurgia. Por esta razão, os médicos recomendam que os doentes com cancro da tiróide mantenham a vigilância regular para toda a vida, mais importante nos primeiros 5 a 10 anos.

Nesse sentido, o GET considera fundamental a divulgação e informação sobre a patologia nodular da tiróide entre os profissionais de saúde e a população em geral. Contudo, o pedido de exames deve ser criterioso pois pode levar a um sobrediagnóstico de pequenos nódulos da tiróide sem significado patológico ou interesse clínico que conduzem a uma ansiedade excessiva no doente e seus familiares.

24 de maio de 2011

Fonte: Lusa/SAPO

Comentários