Mais de 300 estudos de saúde apresentados em Viseu

Mais de 300 trabalhos de investigação em diferentes áreas da saúde provenientes de duas dezenas de países vão ser apresentados na terça e na quarta-feira, em Viseu, durante um congresso mundial.
créditos: AFP/ PHILIPPE HUGUEN

O segundo Congresso Mundial de Investigação em Saúde realiza-se na Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Viseu e tem como objetivo dar uma “visão abrangente e integradora” dos mais recentes desenvolvimentos da investigação nesta área.

O presidente da Escola Superior de Saúde de Viseu, Carlos Pereira, disse à agência Lusa que são esperados perto de mil participantes no congresso.

“São pessoas da área da investigação em saúde, onde se incluem médicos, enfermeiros, assistentes sociais, fisioterapeutas, nutricionistas, investigadores e professores universitários”, afirmou o também presidente do congresso.

Entre os temas a abordar, Carlos Pereira destacou os cuidados paliativos, a obesidade infantil, a saúde mental, a qualidade de vida, a segurança do doente, a natalidade e as políticas de saúde, a insónia e os distúrbios do sono em adolescentes, e a violência no namoro.

“Vêm investigadores um pouco de todo o mundo, embora a maior parte seja de Portugal”, frisou.

O presidente da comissão organizadora local, João Duarte, sublinhou “a oportunidade de partilha de experiências e resultados” que este congresso representa, que poderá ser “processada com a comunidade científica de vários países”, contribuindo “significativamente para a obtenção de melhores resultados em saúde”.

Na sua opinião, o conjunto de temáticas a abordar contempla uma abordagem multidisciplinar, onde a promoção da saúde física e mental, a educação para a saúde, a comunicação em saúde, as políticas de saúde e o cuidado curativo e paliativo podem ser debatidos” de forma a aumentar o conhecimento em saúde, “contando com um olhar de vários peritos internacionais”.

Segundo Carlos Pereira, todos os trabalhos apresentados no congresso serão publicados numa revista de saúde comunitária espanhola.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários