Mais de 1.000 trabalhadores Centro Hospitalar Lisboa Central exigem reposição 35h/semana

Passagem das 35 para as 40 horas semanais corresponde a “trabalho de escravo”, diz sindicalista

26 de junho de 2014 - 12h51

Mais de mil trabalhadores do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) assinaram um abaixo-assinado a exigir ao conselho de administração que reponha o regime das 35 horas semanais, segundo disse à agência Lusa uma dirigente sindical.

O CHLC integra os hospitais de São José, Capuchos, Sta. Marta, Estefânia, Curry Cabral e Maternidade Alfredo da Costa.

De acordo com Ana Pais, do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, após um plenário que hoje se realizou, os trabalhadores do CHLC decidiram fazer a entrega do abaixo-assinado ao conselho de administração, que conta com 1.052 assinaturas dos cerca de 4.000 funcionários do centro hospitalar.

A maioria dos profissionais que assinou o documento é assistente operacional ou técnico, mas também enfermeiros e médicos decidiram aderir à iniciativa.

“Temos esperança e vamos em todos os sentimos para conseguirmos a reposição das 35 horas. Hoje foi mostrada a vontade que têm os trabalhadores do CHLC”, declarou Ana Pais.

Para a sindicalista a passagem das 35 para as 40 horas semanais corresponde a “um trabalho de escravo”, com o aumento da carga horária sem qualquer remuneração.

Por Lusa

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários