Liga contra o cancro lança campanha sobre riscos do HPV em séniores

Doença pode despoletar cancro da vagina, vulva, do pénis e do canal anal

A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) lança hoje uma campanha direcionada sobretudo para mulheres de meia-idade e homens, alertando-os para o risco de contraírem a infeção pelo vírus do papiloma humano (HPV) e desenvolverem vários cancros.

Sob o lema "O HPV não escolhe sexo nem escolhe idade. A prevenção também não", a campanha visa sobretudo chamar a atenção para a importância de homens e mulheres se vacinarem, independentemente da idade.

Carlos Oliveira, presidente da LPCC explicou à Lusa que a campanha inicial contra o HPV, lançada em 2007 e que termina este ano, visou as raparigas entre os 13 e os 17 anos, faixa etária em que os estudos na altura mostraram que a vacina tinha efeito.

Sendo uma infeção transmitida por via sexual, tornava-se importante a vacinação das raparigas no início da sua vida sexual, o que acabou por acontecer, com a inclusão da vacina no plano nacional de vacinação.

“Posteriormente, estudos mostraram que a utilização da vacina pode e deve ser estendida a mulheres com mais de 25 anos e até aos 45/50 anos. Demonstrou-se também é benéfica nos homens, razão por que a campanha agora lançada é para dar a conhecer que o HPV não distingue sexos nem idades”, afirmou.

Carlos Oliveira salientou que a campanha inicial foi bem sucedida na transmissão da mensagem, de que é sinal o facto de um inquérito recente ter demonstrado que a maioria dos inquiridos, sobretudo mulheres, conhece o HPV, sabe que a vacinação é direcionada para as mais jovens e que o principal cancro provocado pelo vírus é o cancro do colo do útero.

Em contrapartida, o mesmo inquérito mostrou que há muito desconhecimento por parte dos homens sobre esta infeção e principalmente que a população está mal informada quanto aos vários tipos de cancro que pode provocar.

Segundo o presidente da LPCC, o HPV pode provocar, comprovadamente, cancro da vagina, da vulva, do pénis e do canal anal.

“Não há dados definitivos ainda, mas provavelmente provoca também cancro orofaringico e da cavidade oral. Esta informação não será para já usada na campanha, porque ainda se espera comprovação científica dos estudos”, afirma o responsável, que não põe de parte a possibilidade de a incluir posteriormente, se os resultados definitivos demonstrarem essa relação.

Carlos Oliveira alertou ainda que a vacina contra quatro vírus (há uma vacina só contra dois vírus) protege também contra as verrugas genitais, em ambos os sexos.

Na base desta campanha, esteve um inquérito realizado através da internet e que revelou bons conhecimentos da população contra esta infeção.

No entanto, Carlos Oliveira salienta que os que responderam são pessoas com acesso à internet, e não descarta que um inquérito com representatividade da realidade nacional apresente resultados inferiores.

Neste questionário, 90% dos inquiridos de ambos os sexos já tinham ouvido falar do HPV, e sabiam que se transmite por contacto sexual.

Metade dos inquiridos desconhecia que 70 a 80% das pessoas serão infetadas pelo HPV ao longo da vida, e cerca de 60% afirmaram que o vírus causa doenças genitais em ambos os sexos.

As doenças mais associadas ao HPV foram o cancro do colo do útero (79%) e os condilomas ou verrugas genitais (41,7%), sendo que 68% dos inquiridos de ambos os sexos pensavam que a vacinação era apenas para adolescentes do sexo feminino.

19 de dezembro de 2012

@Lusa


Comentários