Liga alerta que verbas para combater o cancro não são suficientes

O presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro manifestou-se hoje satisfeito com o anúncio do governo de um investimento de 40 milhões de euros para o tratamento oncológico, apesar de considerar que as verbas nunca são suficientes.
créditos: AFP

“As verbas nunca são suficientes para a luta contra o cancro, mas é muito bom saber que há um investimento adicional de 40 milhões de euros, vemos isso com muita satisfação”, disse Francisco Cavaleiro Ferreira, em declarações à agência Lusa.

No dia Mundial do Cancro, o presidente da Liga adiantou que a luta contra a doença em Portugal “está difícil”, lembrando que se trata de uma patologia “muito difícil, que tem vindo a aumentar nos últimos anos e que, tudo indica, continuará a aumentar no futuro”.

O Governo anunciou um investimento de 40 milhões de euros para tratamento de doentes oncológicos nos Institutos Portugueses de Oncologia (IPO) de Lisboa, Porto e Coimbra, sendo metade do valor fornecido pela tutela e a outra por fundos comunitários e receitas próprias dos institutos.

O anúncio foi feito hoje, Dia Mundial do Cancro, em comunicado pelo Ministério da Saúde, no qual lembra que esta doença é a principal causa de morte prematura antes dos 70 anos e, no conjunto das causas de mortalidade em todas as idades, ocupa o segundo lugar depois das doenças cérebro-cardiovasculares.

De acordo com Francisco Cavaleiro Ferreira, atualmente, “um em cada quatro portugueses tem ou vai ter a doença”, prevendo-se que em 2030 os dados sejam de “um em cada três”.

Segundo o responsável, estes dados têm a ver com hábitos de vida, com a longevidade das pessoas, que vivem cada vez mais anos.

Cavaleiro Ferreira lembrou que em Portugal são detetados 50 mil casos por ano e morrem cerca de 25 mil pessoas.

Francisco Cavaleiro Ferreira considerou que a dificuldade na prevenção da doença é o facto de “não existir cura”, embora reconheça que as “taxas de sobrevivência já são assinaláveis”.

“É preciso as pessoas estarem informadas e cientes do que é a doença e não a recearem. Há que desmistificar a doença, e a Liga faz um esforço grande na prevenção primária de informação e esclarecimentos”, explicou.

Para o presidente da Liga, as pessoas devem estar “alertadas para certos sinais no seu corpo”, além de terem cuidados de hábitos de vida, como a alimentação e o desporto, relembrando que sempre que puderem façam rastreios, já que se trata de “pequenos passos importantes na luta contra o cancro”.

O Ministério da Saúde anunciou que este ano estão previstos investimentos para a área oncológica, designadamente para as unidades dos IPO’s de Lisboa, Coimbra e Porto superiores a 40 milhões de euros.

“Uma parte deste investimento já será realizado graças à capacidade de autofinanciamento das unidades, outra, por candidatura a fundos comunitários, e outra parte, ainda, através da injeção de capital do Estado, até 20 milhões de euros, a realizar este ano”, indica a tutela.

O ministério lembrou que, em 2014, os principais investimentos nos três IPO’s rondaram os oito milhões de euros.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários