Libéria com 70.000 nascimentos não registados durante epidemia de Ébola

Mais de 70.000 bebés que nasceram na Libéria na altura em que a epidemia do Ébola assolava o país não foram registados, deixando-os sem cuidados de saúde e vulneráveis ao tráfico, afirmou hoje a UNICEF.

(FOTO DE ARQUIVO)

créditos: EPA/AHMED JALLANZO

Maternidades em todo o país foram forçadas a fechar no ano passado quando profissionais de saúde foram infetados pelo Ébola, pelo que os registos de nascimento diminuíram para quase 40% em comparação com 2013, informou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), citando estimativas do governo.

“As crianças que não foram registadas no nascimento não existem oficialmente”, afirmou Sheldon Yett, representante da UNICEF na Libéria, em comunicado.

“Sem a cidadania, as crianças na Libéria, que já sofreram horrores por causa do Ébola, arriscam a marginalização porque podem não conseguir ter acesso aos cuidados básicos de saúde e serviços sociais, obter documentos de identidade, e vão ficar em risco de serem traficadas ou adotadas ilegalmente”, afirmou.

Apenas 700 nascimentos foram reportados nos primeiros cinco meses deste ano, disse a UNICEF, quando as autoridades de saúde locais e internacionais trabalhavam para controlar o surto.

Um porta-voz da UNICEF disse à AFP que a estimativa do governo liberiano sobre a existência de 70.000 bebés não registados foi extrapolada dos números de nascimentos projetados em comparação com os atuais registos.

Mas acrescentou que não há dados que demonstrem se a propagação do vírus – transmitido entre humanos através dos fluídos corporais – levaram a um declínio na taxa de nascimento, o que poderia explicar em parte a diminuição dos registos.

A UNICEF está a ajudar a Libéria a reconstruir os seus debilitados serviços de saúde, em antecipação a uma campanha do governo planeada para o final do ano para chegar a todos os bebés não registados durante a epidemia.

Cerca de 28 mil pessoas foram infetadas na Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria no pior surto de Ébola da história. Mais de 11 mil pessoas morreram, segundo dados oficiais.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a Libéria oficialmente livre do vírus a 09 de maio, 42 dias – o dobro do período máximo de incubação – após o enterro do último caso conhecido. Mas o vírus reapareceu na Libéria no final de junho e até 15 de julho já causou pelo menos mais duas mortes naquele país.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários