IPO/Porto disponibiliza linha telefónica para rastreio do cancro de pele

Dia do Euromelanoma assinala-se dia 11 de maio

O IPO Porto anunciou hoje que vai disponibilizar na sexta-feira uma linha telefónica gratuita para marcação de rastreios do cancro da pele.

Os utentes que queiram aceder às consultas de rastreio, que se vão realizar na quarta-feira, devem ligar para o número verde 808 202 517, que vai estar disponível a partir das 09:00, na sexta-feira.

As consultas estão limitadas às primeiras 120 chamadas, sendo a linha encerrada quando este total for atingido.

Esta campanha de prevenção do cancro da pele é uma das iniciativas agendadas pelo IPO/Porto para assinalar o Dia do Euromelanoma (11 maio).

O programa integra ainda sessões de esclarecimento junto de adolescentes do ensino secundário.

O IPO do Porto junta-se, assim, ao Euromelanoma, uma campanha pan-europeia que envolve 29 países com o objetivo de dar informação a toda a população sobre o cancro da pele, o diagnóstico precoce e o tratamento.

O melanoma é o tipo de cancro da pele mais grave, sendo a exposição prolongada ao sol e a falta de proteção as principais causas desta patologia.

A Associação portuguesa de cancro cutâneo estima que surjam por ano em Portugal cerca de dez mil novos cancros da pele, provocados por exposições solares excessivas.

Em declarações recentes à Lusa, o dermatologista e secretário-geral da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo, Osvaldo Correia, disse que “são para cima de 10 mil novos casos de cancros da pele por ano e mais de mil novos melanomas [cancro da pele de maior gravidade]”.

De acordo com o especialista, os cancros da pele têm vindo a aumentar quer em Portugal quer em vários países da Europa e estão associados “a uma maior exposição solar, sobretudo aquela que é episódica, súbita mas intensa e que ocorre fora da altura balnear habitual”, sobretudo em idades de criança, adolescente ou adulto jovem.

No caso do cancro da pele mais grave, a taxa de mortalidade situa-se entre os 10 e os 15 por cento ao fim de cinco anos.

05 de abril de 2011

Fonte: Lusa/SAPO

Comentários