Investigação com embriões humanos aprovada pela primeira vez em Portugal

Portugal aprovou recentemente o primeiro projeto de investigação com recurso a embriões humanos, o qual visa estudar o processo de implantação embrionária, o passo com mais baixo rendimento durante um tratamento de infertilidade.
créditos: AFP

De acordo com o presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA), organismo responsável pela autorização de procedimentos desta natureza, a investigação apresenta “um potencial benefício para a humanidade”.

Trata-se de uma investigação da responsabilidade do Centro IVI (Instituto Valenciano de Infertilidade) de Lisboa e a Fundação IVI.

Segundo o presidente do CNPMA, Eurico Reis, trata-se do terceiro pedido que chegou a este organismo para utilização de embriões humanos que resultaram de tratamentos de infertilidade e estão crio-preservados nos respetivos centros.

De acordo com a lei em vigor, os embriões que não tiverem sido transferidos devem ser crio preservados, comprometendo-se os beneficiários a utilizá-los em novo processo de transferência embrionária no prazo máximo de três anos.

Veja isto: Como dormem os casais que estão à espera de bebé?

A pedido do casal, os embriões poderão ser crio preservados mais três anos, período findo o qual a lei permite que os embriões sejam doados para outras pessoas ou para investigação científica.

A dúvida está na implantação embrionária

Os dois primeiros pedidos de investigação com embriões humanos não avançaram, mas este terceiro foi devidamente autorizado, após o CNPMA ter reconhecido a sua “utilidade para a humanidade”.

Sérgio Soares, diretor da clínica IVI Lisboa, disse à Lusa que o objetivo desta investigação é “entender mais a fundo como se dá o processo de implantação embrionária”.

Comentários