Instituto Europeu de Hidratação apresenta-se em Portugal

Especialistas europeus consideram hidratação uma prioridade de saúde

Nutricionistas, comunidade médica e científica da Europa apoiam a criação do Instituto Europeu de Hidratação (EHI). A primeira instituição europeia a concentrar-se, exclusivamente, na hidratação humana e no seu impacto na saúde, bem-estar e desempenho.

Criado para promover e partilhar conhecimento e entendimento sobre esta relevante questão de saúde, o EHI vai ser apresentado, após 12 meses de desenvolvimento, durante o II Congresso Internacional de Nutrição e Saúde Pública, que se realiza no Porto entre os dias 23 e 25 de Setembro.

A hidratação é uma questão de saúde pública que não tem sido reconhecida como uma prioridade em muitos países Europeus, resultando numa carência de iniciativas que eduquem e formem as populações sobre o impacto da desidratação na saúde, bem-estar e desempenho. Os consumidores são muitas vezes mal informados sobre a hidratação, baseando-se em informações fragmentadas e confusas que podem levar a complicações.

"Muitas pessoas desconhecem quais as quantidades de líquidos que devem ingerir para obter os benefícios de uma boa hidratação. Há também uma falta de consciência do papel que têm diferentes tipos de bebidas na dieta alimentar", diz Ronald Maughan, Presidente do Comité Científico do Instituto.

O Instituto Europeu de Hidratação foi criado com a missão de sensibilizar para a importância da hidratação na saúde, bem-estar e desempenho. Tem por objectivo ser uma fonte credível de informação, que resulte numa melhor compreensão das questões de hidratação. Ao incluir este tema nas agendas de saúde pública, pode ajudar a que os Europeus se hidratem adequadamente.

"Precisamos compreender melhor a atitude das pessoas em relação à hidratação, assim como os seus padrões de consumo actuais, com o objectivo de as orientar para práticas de hidratação saudável. É importante reconhecer que a hidratação tem grandes consequências no nosso dia-a-dia. Através de bons conselhos podemos melhorar os níveis de hidratação da população, o que representa um alto retorno em termos de bem-estar geral, com um baixo custo de intervenção.” Acrescenta Jane Holdsworth, Directora da EHI.

Trabalhando em estreita colaboração com cientistas independentes e profissionais de saúde, o Instituto realiza e incentiva a pesquisa científica e sociológica, promove a partilha de conhecimentos científicos e desenvolve os recursos necessários para ajudar a melhorar a compreensão da hidratação entre os profissionais da saúde e junto da população Europeia.

"O EHI vai avaliar as evidências científicas para identificar lacunas no conhecimento e preenchê-las sempre que possível, com o intuito de proporcionar uma boa orientação aos profissionais de saúde e ao público em geral.” Refere Ronald Maughan.
O EHI trabalha com cientistas independentes, incluindo os membros do seu Comité Científico, e é apoiado por parceiros, associados e colaboradores que partilham uma aspiração comum: compreender melhor a ciência da hidratação e a forma como ela afecta a saúde, o bem-estar e o desempenho.

O Comité Cientifico é presidido por Ronald Maughan, Professor da Universidade de Loughborough no Reino Unido, e Presidente do Nutrition Working Group da Comissão Médica do Comité Olímpico Internacional.

Neste momento de apresentação que se realiza no Porto, o EHI vai abrir inscrições para o primeiro concurso de bolsas de investigação, atribuídas a recém-licenciados, que visam apoiar cientificamente projectos relacionados com a Hidratação Humana.

O EHI pretende oferecer oito bolsas em 2010/11, cada uma com um valor de 5.000 Euros, mais um valor adicional de 1.000 Euros, disponível com o objectivo de permitir a apresentação de resultados. As candidaturas vão estar abertas entre 4 de Outubro a 1 de Dezembro de 2010 e as primeiras atribuições vão ser feitas em Janeiro de 2011.

Um milhão de Portugueses estão mal hidratados
Um estudo recente apresentado em Maio de 2009 pelo Instituto Português de Hidratação mostra que um milhão de Portugueses estão mal hidratados. O "Estudo sobre as motivações do consumo de líquidos pelos Portugueses" analisou a média de ingestão de líquidos, motivações e flexibilidade de consumo e mostrou que os Portugueses desconhecem os níveis de teor de água nos alimentos e bebidas, resultando numa ingestão de líquidos abaixo do valor de referência proposto pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) - para adultos (2 litros para a mulher e 2,5 litros para o homem por dia).

Em Portugal, a ingestão média de líquidos é inferior a este valor recomendado, com apenas 1,73 litros consumidos em média por pessoa. A pesquisa também mostrou que 20% da população afirma não gostar de beber água.

Dez factos importantes sobre a hidratação emitidos pelo Instituto Europeu de Hidratação:

1. A água do nosso organismo é essencial para a saúde e bem-estar. Os seres humanos não conseguem sobreviver por muito tempo sem a ingestão de água, mas podem negligenciar outros nutrientes por semanas ou mesmo meses sem que tal dê origem aos mesmos problemas que a desidratação.

2. Regra geral, conseguimos ser muito bons a equilibrar as perdas/ingestão de líquidos a médio e longo prazo. Contudo, no consumo a curto prazo a ingestão/perda não é bem correspondida.

3. A sede pode não ser sempre o melhor indicativo de que o corpo precisa de água.

4. A água é perdida através do suor, urina, respiração, fezes e pele. As quantidades perdidas são maiores num clima com altas temperaturas, em elevada altitude ou no aumento da actividade física.

5. As doenças gastrointestinais (vómitos, diarreia) também aumentam a perda de água e sal.

6. Em condições normais, o consumo total diário de água recomendado* – proveniente de todas as fontes incluindo alimentos e bebidas –, é cerca de 2,5 litros para homens adultos e 2,0 litros para mulheres adultas. Contudo, estas medidas são médias. Algumas pessoas precisam de mais e algumas precisam de menos.

7. Em climas quentes, é melhor evitar a exposição desnecessária ao sol no final da manhã e até ao final da tarde. A actividade de exercício físico intenso também deverá ser evitada nestas alturas do dia.

8. As mulheres grávidas ou que estão a amamentar, as crianças e os idosos são os grupos mais susceptíveis à desidratação. Aqueles que tiverem a seu cargo o cuidado de crianças ou idosos devem garantir que estes bebem bastantes líquidos.

9. Os alimentos com alto teor de água, tais como frutas, legumes, sopas, etc., podem
contribuir significativamente para atingir o consumo total diário de água.
O consumo de uma grande variedade de bebidas pode ajudar a garantir a ingestão de água recomendada diariamente.

10. Os profissionais de saúde, dietistas e nutricionistas são especialistas em ajudar as pessoas a entender como devem manter os níveis ideais de hidratação.
* Consumo total de água diário é a soma do teor de água proveniente de todos os tipos de bebidas e alimentos.


Sobre o Instituto Europeu de Hidratação

O Instituto Europeu de Hidratação é uma entidade constituída com o propósito de aumentar o conhecimento e compreensão sobre as questões relacionadas com a hidratação humana e os seus efeitos na saúde, bem-estar e performance. O Instituto foi criado em resposta à necessidade de uma fonte credenciada de informação de suporte aos esforços desenvolvidos para garantir que a população europeia esteja correctamente hidratada.

O Instituto Europeu de Hidratação trabalha com cientistas independentes, profissionais de saúde e nutrição e outras partes interessadas para desenvolver recursos que possam ser utilizados para promover a compreensão pública e dos profissionais, necessária para estimular uma correcta hidratação em todos os sectores da população.

Para mais informações visite www.europeanhydrationinstitute.org.

Conselho Consultivo Científico

Os membros do Conselho Científico são nomeados entre peritos científicos independentes, representando diferentes disciplinas relacionadas com a hidratação e saúde pública. Estes são reconhecidos peritos e líderes de opinião nas áreas da saúde e nutrição.

Além de Ronald Maughan, Susan Shirreffs, do Reino Unido, Andrea Poli, de Itália, Maria Kapsokefalou, da Grécia, Patrick Ritz, da França e Lluis Serra-Majem, da Espanha, completam o conselho consultivo.

2010-09-24



Comentários