INEM recebeu mais de 200 chamadas sobre incidentes com cápsulas de detergente

O Centro de Informação Antivenenos (CIAV), do INEM, recebeu em 2014 mais de 200 chamadas sobre incidentes com cápsulas de detergente para máquinas de lavar louça e roupa, na maioria envolvendo crianças.

Até terça-feira, foram recebidas, no Centro de Informação Antivenenos, departamento do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), 210 chamadas telefónicas referentes a situações com cápsulas para máquinas de lavar louça e roupa, valor que ultrapassa largamente as 135 chamadas registadas no total do ano passado.

Em declarações à agência Lusa, Fátima Rato, do CIAV, explicou que "a esmagadora maioria" das chamadas envolvem crianças com idades entre os 17 meses e os três anos.

Segundo esta médica, em mais 98 por cento dos incidentes há "uma exposição ao produto por via digestiva".

"Na quase totalidade dos casos o que acontece é que as crianças levam as cápsulas à boca e trincam-nas. A quantidade ingerida é mínima, provavelmente porque o produto sabe mal e as crianças naturalmente cospem-no", explicou a especialista.

Até ao momento, não há registo de casos clínicos graves, sendo os vómitos o sintoma mais frequentemente apresentado pelas vítimas, segundo o CIAV.

O Centro Antivenenos registou também alguns casos de contacto com os olhos, sobretudo em adultos.

Uma investigação internacional alertou esta semana para o risco que as cápsulas de detergente representam para as crianças mais pequenas, registando um aumento no número de intoxicações, devido aos contacto com as substâncias contidas nas cápsulas.

Comentários