Tabaco ganhou imagens chocantes há um ano, mas o impacto é ainda desconhecido

O impacto das imagens chocantes nos maços de tabaco está por medir ao fim de um ano da medida, com o setor antitabaco a considerar que são ineficazes e os grossistas a afirmarem que não teve efeito no mercado.
créditos: WILLIAM WEST / AFP

O diretor nacional para os Programas das Doenças Oncológicas, Nuno Miranda, afirmou à agência Lusa que "é muito cedo para medir o impacto”, referindo que numa “medida com impacto cultural e uma mudança de atitude, uma medida destas nunca tem resultados num período tão curto".

Para o médico Emanuel Esteves, que está à frente da Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo, o facto de até ao próximo sábado poderem ser vendidos livremente maços sem as imagens retirou eficácia que a medida poderia ter.

Os maços com imagens como um pulmão com cancro, um embrião desenhado a cinzas ou o buraco na garganta deixado por uma traqueotomia começaram a ser vendidos a 20 de maio de 2016, mas durante um ano ainda foi permitida a venda apenas com a marca.

“Diluiu-se o efeito desejável da campanha", considerou Emanuel Esteves em declarações à agência Lusa, defendendo que "a solução ideal seria as imagens e frases [alertando para os malefícios do tabaco] em toda a superfície das embalagens" e maços que não estejam identificados pela marca.

Só assim, afirmou, é que se pode medir o efeito da medida, referindo não acreditar "que o efeito esteja a ser o desejado", ou seja, as imagens dissuadirem os fumadores de comprar e estes deixarem o vício.

Emanuel Esteves salienta que é nos mais jovens não fumadores que a medida poderia ter mais efeito, mas considera que a coexistência de maços sem imagens chocantes impede que se faça uma "análise mais certa" do impacto.

15 passos simples para deixar de fumar

Comentários