Hospital de Lagos com turno da noite sem serviços mínimos de enfermagem garantidos

Hospital de Lagos deveria ter 50 enfermeiros no serviço de medicina, mas tem apenas 31

29 de março de 2013 - 06h50

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) considerou que a equipa de enfermagem no serviço de medicina do Hospital de Lagos está à beira da rutura e que o turno da noite de hoje não tem assegurados os serviços mínimos.

“A equipa de enfermagem do serviço de medicina do Hospital de Lagos está à beira da rutura”, alertou o SEP em comunicado, acrescentando que para o turno de hoje à noite se prevê que apenas estejam "dois enfermeiros de serviço" e que "nem os serviços mínimos estão assegurados".

Em declarações, por escrito, à agência Lusa, o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve (CHA) – em que está integrado o Hospital de Lagos -, Pedro Nunes, assegurou que se tem empenhado na "resolução da situação".

"O Conselho de Administração do CHA já solicitou ao Ministério da Saúde a autorização necessária para a contratação dos enfermeiros. O Ministério da Saúde reconhece a importância do reforço desse número de profissionais e autorizou a contratação, aguardando-se agora que o processo seja finalizado", explicou Pedro Nunes.

Este responsável informou, também, que o CHA desencadeou um "processo público de constituição de bolsa de recrutamento de enfermeiros, tendo recebido várias candidaturas que serão enquadradas nesse concurso".

Para assegurar a "melhor prestação de cuidados aos cidadãos que acorrem ao Hospital de Lagos, tem-se recorrido, sempre que necessário, a horas extraordinárias" e ao "internamento no Hospital de Portimão", acrescentou.

Em declarações à Lusa, Nuno Manjua, enfermeiro e elemento da direção regional de Faro do SEP, disse que a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) fez um cálculo e concluiu que no serviço de medicina do Hospital de Lagos deveriam estar a trabalhar 50 enfermeiros para manter os cuidados de excelência, mas na realidade só estão afetos 31 enfermeiros, estando dez enfermeiros atualmente de baixa.

Lusa

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários