Hospitais do Algarve negam falhas no fornecimento de sacos a doentes ostomizados

O Centro Hospitalar do Algarve (CHA) negou hoje que tenham havido falhas no fornecimento de sacos a doentes ostomizados nas unidades que integram o centro, depois de o Bloco de Esquerda (BE) ter denunciado o problema.

Na segunda-feira, o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre alegadas falhas no fornecimento de sacos a doentes ostomizados (pessoas operadas ao anus ou à uretra) no Centro Hospitalar do Algarve e no Centro de Saúde de Tabuaço, uma situação que classificou como “grave e profundamente injusta”.

Em comunicado, o CHA refere que "nunca foi questionado pelo Bloco de Esquerda sobre esta questão em concreto no sentido de poder prestar os devidos esclarecimentos e desmentir tais falhas", acusando o partido de divulgar "factos errados".

Em pergunta apresentada na Assembleia da República, o BE questionou se o Governo tinha conhecimento da situação e se pretendia atualizar o despacho que regula as comparticipações a estes doentes.

O grupo parlamentar bloquista quis também saber por que motivo entrou em rutura o fornecimento de sacos a pessoas ostomizadas no Centro de Saúde de Tabuaço, em Viseu, e no Algarve.

O BE justificou as dificuldades com o facto de os sacos se “esgotarem nas unidades de saúde” ou de “a sua aquisição nas farmácias para posterior reembolso não estar ao alcance de todos”.

Os doentes ostomizados são pessoas que foram submetidas a uma cirurgia para a construção de um novo trajeto para a saída de fezes ou urina.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários