Hospitais de Coimbra querem reduzir o risco de AVC com cirurgia sofisticada

A Unidade de Intervenção Cardiovascular do Hospital dos Covões, em Coimbra, pretende aumentar nos próximos anos o número de intervenções de encerramento do apêndice auricular esquerdo como solução para baixar o risco de acidentes cardiovasculares cerebrais (AVC).

"Estamos a falar de uma intervenção bastante sofisticada, que se integra na estratégica de promover a elevada diferenciação dos procedimentos e da oferta de tratamentos e diagnósticos aos doentes, e que tem sempre à frente a primazia da qualidade", disse à agência Lusa Lino Gonçalves, diretor do serviço de cardiologia daquele hospital integrado no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O AVC é um problema de saúde pública "gravíssimo", que é a primeira causa de incapacidade prolongada dos doentes em Portugal, sendo que mais de 20% dos casos "tem uma relação direta com a fibrilhação auricular", explicaram os médicos Lino Gonçalves e Marco Costa.

"Uma parte substancial desses AVC tem origem cardioembólica, ou seja há um trombo que sai do coração e pode obstruir uma artéria no cérebro. Este cardioembolismo tem muito a ver com a fibrilhação auricular (arritmia), que afeta mais de 140.000 pessoas em Portugal (cerca de 2,5% da população com mais de 40 anos)", precisou Marco Costa.

Segundo o cardiologista, esta arritmia é tratada com fármacos anticoagulantes, que são a "primeira escolha" para os doentes, embora, "infelizmente, tenham alguns problemas e contraindicações", que impedem alguns doentes de beneficiar desta terapêutica.

Os doentes que não podem beneficiar dos fármacos anticoagulantes podem sujeitar-se à intervenção de encerramento do apêndice auricular esquerdo, onde, "de acordo com os estudos, 90% dos trombos podem ter origem".

"Se encerrarmos este apêndice auricular esquerdo, estamos a ajudar a que não se formem os trombos que podem causar um AVC", frisou.

Veja ainda: 10 regras médicas para ter um coração de ferro

Comentários